Política Santos Silva: Ainda não chegou o momento de discutir sanções contra a Venezuela

Santos Silva: Ainda não chegou o momento de discutir sanções contra a Venezuela

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, disse que ainda não chegou o momento da União Europeia (UE) discutir sanções contra a Venezuela.
A carregar o vídeo ...
Lusa 20 de julho de 2017 às 20:47

"Nós [UE] ainda não chegamos à fase em que tenhamos que discutir eventualmente a aplicação de sanções contra a Venezuela. Se chegarmos a esta fase, Portugal manifestará a sua posição", afirmou esta quinta-feira o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.

 

A declaração do chefe da diplomacia portuguesa foi feita após o conselho de ministros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), em Brasília.

 

Questionado sobre qual seria a posição de Portugal se a aplicação de sanções contra a Venezuela fosse discutida entre os Estados membros da UE, o ministro declarou que não trabalha com hipóteses.

 

"É sempre errado responder, em diplomacia, a perguntas que começam com a palavra si. A nossa preocupação, dos europeus, é de que haja em todas as partes da Venezuela um diálogo político inclusivo e produtivo", disse.

 

Santos Silva reconheceu, porém, que "o processo político-diplomático é sempre dinâmico" e, portanto, Portugal e a UE vão actualizar o seu posicionamento "em função dos factos que forem ocorrendo e também do consenso que há entre os Estados europeus".

 

O ministro dos Negócios Estrangeiros também fez questão de repetir informações já divulgadas pelo seu ministério num comunicado em que o Governo informava que Portugal não tratou da discussão sobre sanções à Venezuela porque este debate não aconteceu.

 

"Esta questão ainda não foi discutida pelos Estados membros da UE. Nós temos uma posição comum que foi exposta numa declaração que saiu do conselho dos ministros (de Negócios) Estrangeiros em maio, que é muito clara sobre o nosso entendimento da crise na Venezuela", recordou.

 

Sobre o aumento da movimentação de portugueses e lusodescendentes que residem na Venezuela e estão a mudar-se para a ilha da Madeira, fugindo da instabilidade política no país sul-americano, Santos Silva avaliou que "estas pessoas são bem-vindas e serão apoiadas pelas autoridades portuguesas no sentido de promover a sua integração o mais rápido possível". "O Governo da República e o Governo da Madeira estão em contacto para que as condições de integração sejam as melhores", concluiu.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub