Finanças Públicas Santos Silva considera "muito curioso" críticas às cativações de quem não cumpriu metas orçamentais

Santos Silva considera "muito curioso" críticas às cativações de quem não cumpriu metas orçamentais

O primeiro-ministro em exercício defendeu hoje que "as cativações são um instrumento de execução orçamental" e considerou "muito curioso" ouvir críticas sobre o cumprimento do objectivo orçamental por parte dos que "foram incapazes" de o fazer.
Santos Silva considera "muito curioso" críticas às cativações de quem não cumpriu metas orçamentais
Bruno Simão
Lusa 06 de julho de 2017 às 19:16
"As cativações são um instrumento de execução orçamental. Acho, aliás, muito curioso que as mesmas pessoas que foram incapazes de cumprir qualquer objectivo orçamental se queixem agora de o Governo ter finalmente cumprido esse objetivo orçamental", afirmou o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, que esta semana assume a chefia do Governo, durante a ausência do país do primeiro-ministro, António Costa, em gozo de férias.

O governante respondia assim a críticas do presidente do PSD e ex-primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, que contestou a possibilidade de o Governo ter cortado, com cativações, cerca de mil milhões de euros em 2016 sem tocar na saúde, na educação, na defesa ou na administração interna.

"Há cerca de um ano, o senhor primeiro-ministro, eu, a secretária de Estado dos Assuntos Europeus e vários outros membros do Governo passámos muitas horas a tentar impedir - o que conseguimos - que por causa da execução orçamental entre 2013 e 2015, Portugal fosse objecto de sanções e visse os fundos europeus suspensos", referiu Augusto Santos Silva.

O governante acrescentou: "Sei muito bem, por experiência própria, o valor que é termos saído do Procedimento por Défices Excessivos e acho que ninguém devia desvalorizar esse facto".

O ministro falava aos jornalistas à entrada para a sessão de abertura do fórum MedThink 5+5, organizado pelo Instituto Europeu do Mediterrâneo (IEMed), com a colaboração do Instituto Português de Relações Internacionais (IPRI) da Universidade Nova de Lisboa (UNL).



A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Quem não tem base nenhuma para criticar inventa suicídios ..

Anónimo Há 2 semanas

Que raio de governantes nós temos! arranjam sempre desculpas e areia para atirar aos nossos olhos. Claro que assim qualquer um governo cumpre metas. Não gasta o dinheiro. Isto já fazia Salazar!
E a festa Xuxa continua, empurram-se os problemas com a barriga. Alguêm ha-de pagar....

Anónimo Há 2 semanas

As Cativaçoes são Cortes meu Burro de M_erda!

Tem razão Santos Silva quando Há 2 semanas

lembra que o anterior governo não cumpriu (nem UMA) das metas por eles preconizadas. Para além dessas faltas, tentava imputar ao TC as tropelias cometidas diariamente. O facto de eles quererem branquear esse período é uma coisa, agora serem apoiados por alguns é outra.

pub
pub
pub
pub