Economia Santos Silva diz que subida do "rating" abre "novas oportunidades" de investimento

Santos Silva diz que subida do "rating" abre "novas oportunidades" de investimento

O ministro dos Negócios Estrangeiros destacou as "novas oportunidades" que a subida do ‘rating’ de Portugal abre para colocação da dívida portuguesa junto de investidores institucionais e atribuiu "diplomaticamente" aos portugueses o "mérito principal" desta conquista.
Santos Silva diz que subida do "rating" abre "novas oportunidades" de investimento
Bruno Simão
Lusa 17 de setembro de 2017 às 12:58

"Alguns dos investidores institucionais, como os fundos de pensões, estão obrigados estatutariamente a só comprar divida com uma certa classificação, de grau de investimento, e portanto o facto de hoje termos a nossa dívida assim classificada por parte da Standard & Poor’s [S&P] abre novas oportunidades para colocação junto de investidores", afirmou Augusto Santos Silva em declarações aos jornalistas à margem de uma visita aos empresários portugueses presentes em Milão, Itália, na maior feira de calçado do mundo – a MICAM.

 

Comentando a revisão em alta, na sexta-feira, pela agência de notação financeira S&P do 'rating' atribuído à dívida soberana portuguesa de 'BB+' (a nota mais elevada de não investimento, descrita como ‘lixo’) para 'BBB-' (a mais baixa de investimento), Santos Silva considerou tratar-se de "uma muito boa notícia porque Portugal".

 

"Portugal tem desde sexta-feira a sua dívida cotada em grau de investimento por duas agências, incluindo uma das três grandes agências (a S&P), e as outras duas agências já colocaram a dívida pública portuguesa em perspectiva positiva, o que quer dizer que, numa próxima revisão, teremos certamente todas as agências internacionais de ‘rating’ a classificar a divida portuguesa como uma dívida em que vale a pena investir", sustentou.

 

Questionado pelos jornalistas sobre o debate entre PSD/CDS-PP e PS em torno dos méritos desta melhoria da avaliação da dívida portuguesa, Santos Silva, assumindo-se como "habituado à linguagem diplomática" dado o cargo que ocupa, preferindo apenas afirmar, "de uma forma muito simples e consensual, que o mérito principal pertence aos portugueses".

 

Já relativamente a uma eventual dificuldade acrescida levantada por esta subida do ‘rating’ da República na negociação com os partidos da esquerda parlamentar do Orçamento do Estado para 2018, o ministro recordou que "a maioria da esquerda parlamentar é mesmo constituída pelo Partido Socialista" e assegurou que o Governo está "comprometido com uma trajectória de reversão do défice e da dívida pública" que é "absolutamente essencial", pelo que "nada" fará "que a possa por em causa".

 

"Esta subida do ‘rating’ significa que foi possível, como nós sempre dissemos, combinar o rigor financeiro com políticas económicas e sociais mais activas e que este é o caminho que nós devemos continuar a trilhar", sustentou.

 

A este propósito, o governante recordou que "a última dívida colocada de Obrigações do Tesouro, portanto dívida a prazos relativamente longos, foi colocada na última quarta-feira com os juros mais baixos das colocações deste ano". E, salientou, "uma dívida mais bem cotada significa menos encargos com juros para o orçamento português, o que significa que os contribuintes portugueses pagam menos pelo ‘stock’ da dívida".

 

"Já há dois ou três anos que o nosso saldo primário é positivo, isto é, se descontarmos o que pagamos de juros de dívida, as nossas contas públicas estão equilibradas. Mas ainda temos um ‘stock’ elevado de dívida e, por isso, gastamos por ano ainda muitos milhares de milhões de euros com o serviço de dívida. Quanto menos gastarmos mais recursos temos para outras políticas, incluindo as políticas de incentivos económicos", afirmou.

 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
O que passou-se? Há 3 dias

Eu explico: as agências de rating, bancos centrais, sist financeiro em geral, querem intensificar a recuperação da banca à conta do endividamento público ilimitado na UE.Daí toca a lançar o engodo a governos irresponsáveis como o nosso: endividem-se à vontade!

Traduzindo o feirante de gado Há 3 dias

Bem pessoal do PS, agora pode fazer-se dívida como se não existisse amanhã!
Quem vier a trás que feche a porta!
Os Tugas são gado podemos aldrabá-los completamente, pois são cegos não vêem nada, e melhor ainda vão pagar tudo e nem sequer reclamam.
Bora lá fazer dívida!!!

Anónimo Há 3 dias

Novas oportunidades de investimento!? Ou novas oportunidades para nos endividarmos ainda mais?

pub
pub
pub
pub