Política Santos Silva diz que "único desconforto" do Governo é o que "o país sentiu"

Santos Silva diz que "único desconforto" do Governo é o que "o país sentiu"

O ministro dos Negócios Estrangeiros afirmou hoje que o "único desconforto" do Governo é o que "o país inteiro sentiu" na sequência dos incêndios, garantindo que há "convergência de esforços" para a "muito necessária reconstrução do país".
Santos Silva diz que "único desconforto" do Governo é o que "o país sentiu"
Miguel Baltazar
Lusa 27 de outubro de 2017 às 11:55
"O único desconforto que o Governo sente é o desconforto que o país inteiro sentiu, com o facto de ter sido atingido este ano por condições climatéricas absolutamente excepcionais e de o seu sistema de Protecção Civil não ter estado à altura na resposta a essas condições e o resultado ter sido tragédias, vidas humanas e muitos bens perdidos", disse à Lusa Augusto Santos Silva, questionado se há algum desconforto nas relações entre o Executivo e a Presidência da República.

"Temos um trabalho pela frente que é muito, mas mesmo muito importante, e muito, mas mesmo muito necessário, que é o de reconstruir o país que ardeu, de reformar o sistema de protecção civil para que ele responda melhor em próximas eventualidades e o de reordenar o nosso território e a nossa floresta", comentou, a propósito da manchete do jornal Público desta quinta-feira, segundo a qual o Governo terá ficado "chocado" com o teor da comunicação ao país feito pelo chefe de Estado na sequência dos incêndios que deflagraram no dia 15 de Outubro e que provocaram 45 mortos.

Um trabalho, prosseguiu, de "grande envergadura" e que "exige o empenhamento de todos os órgãos de soberania e de toda a sociedade civil".

"O Governo faz questão de cumprir sempre o seu dever, de prestar toda a informação aos restantes órgãos de soberania, começando pelo Presidente da República", sublinhou o governante.

Para Santos Silva, a "situação presente exige uma convergência, uma concertação de esforços e é nisso que nos devemos concentrar".

Questionado se existe essa convergência, o chefe da diplomacia respondeu afirmativamente: "Sim, acho que se verifica. Alguns de nós têm uma tendência para pensar mais nos episódios, deixemos-lhes esses aspectos, e concentremo-nos nós na acção que é precisa, e muita".

Sobre o que tem surgido na comunicação social, Santos Silva sublinhou que tem por princípio "nem fazer declarações em 'off' nem comentar notícias cujas fontes são anónimas, sobretudo quando são mais opiniões do que notícias", acentuando o "preceito do Código Deontológico dos Jornalistas que diz que todas as opiniões devem ser atribuídas".

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou na quinta-feira que "chocado ficou o país com a tragédia vivida" nos incêndios e condenou o "diz que disse especulativo".

"Há duas maneiras de encarar a realidade. Uma maneira é o diz que disse especulativo de saber quem ficou mais chocado: se foi A com o discurso de B, se foi B com o discurso de A. E, depois, há uma segunda maneira, que é a de compreender que chocado ficou o país com a tragédia vivida, com os milhares de pessoas atingidas", afirmou.

"Eu entendo que a forma correta é a segunda e que quem olha para a realidade do diz que disse especulativo não entendeu e não entende nada do que se passou em Portugal nas últimas semanas", acrescentou, em declarações na ilha Terceira, nos Açores.

Segundo o chefe de Estado, o importante é o país "que, naturalmente, esperou uma palavra dirigida às vítimas e que espera, com urgência, reparação, reconstrução e olhar para o país atingido".





A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Como temos a governar uma frente de esquerda radical n se preocuparam com os considerados reacionários d Norte limitando-se a estudar um processo d confisco das propriedades e atacar com ocupas legislativas ou fiscais.N esqueceram a perda parcial apos 25 NOV 1975 foram salvos Melo Antunes e acólitos

pertinaz Há 3 semanas

O DESGOVERNO SÓ SENTIU O DESCONFORTO DE TER DE TRABALHAR...

É UMA CHATICE TER QUE RESOLVER PROBLEMAS...!!!

Anónimo Há 3 semanas

Se por acaso tivesse-mos um governo, esse sentiria. Mas como temos, para nossa desgraça um grupo de oportunistas que entraram pela porta do cavalo, só sentem o que lhes possa tocar no fundo das calças e os faça saltar do cadeirão. Lá chegaremos e não vai ser bonito. Nem barato.

Anónimo Há 3 semanas

Enquanto tivermos governos a defender os interesses dos partidos e de lobbies,só resta remediar perante as tragédias.É revoltante o desperdício de recursos financeiros,humanos,etc que se verifica no país que caso fosse gerido por gente competente e séria seria um paraíso.Revolta-me pagar impostos...

ver mais comentários
pub