Economia Santos Silva: Exportações portuguesas com melhor resultado de sempre

Santos Silva: Exportações portuguesas com melhor resultado de sempre

O ano de 2016 será o melhor para as exportações portuguesas, que terão crescido 3%, segundo estimativas do Governo, disse esta segunda-feira o ministro dos Negócios Estrangeiros, defendendo a necessidade de diversificar os mercados externos.
Santos Silva: Exportações portuguesas com melhor resultado de sempre
Miguel Baltazar
Lusa 07 de Novembro de 2016 às 23:33

O ministro intervinha numa audição nas comissões parlamentares de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas e de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, no âmbito da discussão na especialidade da proposta do Orçamento do Estado para 2017.

 

"As exportações portuguesas terão mais uma vez em 2016 o melhor resultado de sempre", em termos reais, referiu Augusto Santos Silva, que acrescentou que a estimativa do Governo aponta para um crescimento de 3%, o que representa uma "redução do ritmo de crescimento face a 2015, mas significa também crescimento".

 

Mesmo em termos nominais, "o saldo melhorou", sublinhou o ministro, que referiu que "isso é muito importante, porque permite consolidar estruturalmente o equilíbrio económico".

 

Santos Silva destacou que as trocas com a Europa "continuam a crescer consolidadamente", recordando que o espaço europeu representa "mais de dois terços das exportações e importações" portuguesas. "As exportações [para a Europa] cresceram 5% em termos nominais, cresceram mais em termos reais, e o nosso saldo positivo cresceu 183% até agosto", disse.

 

As exportações portuguesas têm "dois problemas bem localizados": Angola e Brasil, devido à quebra nos mercados internos. O governante apontou a necessidade de acompanhar as empresas portuguesas que actuam nestes países. "É essencial manter a nossa presença nesses mercados quando eles estão em circunstâncias difíceis e fazer ver que não somos mercenários da relação económica, estando presentes quando os mercados estão bem e abandonando-os logo à mínima dificuldade", disse.

 

Santos Silva recordou que, em Setembro, se realizou uma "missão política e empresarial muito importante" ao Brasil e revelou que, nos primeiros dias de dezembro, irá a Angola para "preparar a reunião de alto nível entre o Estado angolano e o Estado português". Por outro lado, é preciso "insistir mais em mercados que ainda são pequenos para a dimensão da qualidade das relações bilaterais", casos do Canadá e Argentina.

 

O ministro disse ainda que Portugal deve "reforçar os mercados" onde já foram criadas oportunidades para as empresas portuguesas, entre os quais México, Coreia do Sul ou países do Magrebe. 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
ahah Há 4 semanas

Tendo em conta o enquadramento negativo mundial com crescimentos economico abaixo do previsto e do descalabro, -30% , das exportações para Angola e Brasil, a subida de 3% das exportações globais este ano so pode ser classificado de muito bom e só não vê quem é cego (partidarite).

Anónimo Há 4 semanas

Só as empresas do Santos Silva exportaram um balurdio... Agora a serio, estes bancarroteiros estão a colher os beneficios das reformas implementadas nos anos da troika, como estes artistas ja trataram de reverter e anular praticamente todas as reformas que tinham sido feitas, a fatura vira mais para diante. Numa economia de um pais os resultados das boas ou mais decisoes não sao imediatos, veem-se a medio prazo.

Pedro Há 4 semanas

Ah, agora ja reconhecem que o trabalho do anterior governo foi um sucesso. Mas so para se tentarem apropriar dele...

pub