Mundo Santos Silva visita Venezuela para apurar situação de emigrantes e empresas portuguesas

Santos Silva visita Venezuela para apurar situação de emigrantes e empresas portuguesas

O ministro dos Negócios Estrangeiros português visita a Venezuela a partir de sábado para conhecer a situação da comunidade portuguesa e debater com as autoridades questões bilaterais, como interesses de empresas nacionais e o diálogo político em curso.
Santos Silva visita Venezuela para apurar situação de emigrantes e empresas portuguesas
Lusa 04 de janeiro de 2018 às 07:46

Em declarações à Lusa, Augusto Santos Silva adiantou que a visita tem como "objectivo número um" o contacto com os portugueses e lusodescendentes residentes na Venezuela - estimados em 500 mil -, mas o ministro também vai liderar a delegação portuguesa à reunião da comissão mista entre Portugal e a Venezuela, marcada para segunda-feira.

 

No encontro com os emigrantes, no Centro Cultural em Caracas, no domingo, Santos Silva pretende "manifestar o apoio do Governo português à comunidade portuguesa" e inteirar-se dos seus "problemas mais prementes", bem como falar com os seus representantes, conselheiros das comunidades e dirigentes associativos.

 

Outro objectivo da visita de três dias é "identificar e considerar as questões que hoje afligem ou interessam os micro, pequenos e médios empresários da diáspora portuguesa na Venezuela".

 

Santos Silva recordou que a larga maioria dos empresários portugueses ou lusodescendentes naquele país têm pequenos comércios e indústrias, e, como tal, trabalham "de porta aberta", estando por isso mais sujeitos a situações de "insegurança ou violência urbana". 

 

"O principal problema, do ponto de vista português, que se passa hoje na Venezuela, diz respeito à situação e às perspectivas da comunidade portuguesa e lusodescendente residente na Venezuela, quer do ponto de vista das condições de segurança dessa comunidade quer das condições de vida e de acesso a bens básicos", sublinhou o ministro.

 

Para segunda-feira, está marcada a comissão mista bilateral, na qual os dois países devem procurar "tentar encontrar as melhores soluções" para as "questões identificadas pelas empresas portuguesas que têm relações contratuais com a Venezuela e pelas entidades venezuelanas que têm relações contratuais com empresas portuguesas".

 

Nesta reunião, Portugal deverá levar a situação de uma empresa portuguesa que fornece pernil de porco à Venezuela, depois de críticas, na semana passada, do Presidente venezuelano, Nicolás Maduro.

 

"Temos a indicação por parte da empresa portuguesa fornecedora de pernil de porco à Venezuela de que gostariam que fosse tratado na comissão mista o problema que enfrentam, de prazos de pagamento e de fornecimento", referiu Santos Silva.

 

A empresa agroalimentar Raporal informou que a Venezuela deve cerca de 40 milhões de euros às empresas portuguesas fornecedoras de pernil de porco àquele país, dos quais 6,9 milhões lhe são devidos.

 

Nicolás Maduro acusou Portugal de sabotar a importação de pernil de porco -- prato típico das festividades natalícias naquele país -, depois de Caracas ter feito um plano de importação e acertado os pagamentos. O Governo português rejeitou as acusações, recordando que Portugal é uma economia de mercado em que o executivo não interfere nas relações entre empresas.

 

Durante a deslocação, Santos Silva vai também falar "com diferentes responsáveis políticos e sociais da Venezuela, no sentido preciso em que a União Europeia tem incentivado todos os processos de diálogo em curso" entre Governo e oposição, com o objectivo de "chegar a um compromisso político que permita normalizar a situação política".

 

Assim, o ministro vai encontrar-se com o presidente da Assembleia Nacional Venezuelana, Julio Borges (oposição); com o seu homólogo, Jorge Arreaza, com a embaixadora da União Europeia na Venezuela, a portuguesa Isabel Pedrosa, e com o arcebispo de Caracas, cardeal Jorge Urosa Savino.

 

"Evidentemente que Portugal não é parte no processo político venezuelano, mas na medida em que a nossa comunidade é muito numerosa na Venezuela e na medida em que temos relações bilaterais com a Venezuela, a estabilidade na Venezuela é também muito importante para nós", salientou Santos Silva.

 

Está prevista para a próxima semana a segunda ronda de negociações entre Governo e oposição venezuelana, a decorrer na República Dominicana.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 04.01.2018

Deve fazer ver ao a sr Maduro que a Venezuela não é dele é do povo.

pertinaz 04.01.2018

OS JORNALEIROS AVENÇADOS DA ESCUMALHA VOLTARAM A APAGAR UM COMENTÁRIO MEU

Anónimo 04.01.2018

Este "sócio" do LADRÃO44 devia estar preso pela pobreza que o povo tem passado. Cobarde, manda bocas e agora vai pedir desculpa ao Maduro?

Saber mais e Alertas
pub