Américas Santos estudou Mandela para fazer a paz na Colômbia

Santos estudou Mandela para fazer a paz na Colômbia

Juan Manuel Santos é presidente da Colômbia desde 2010. Promoveu a paz com as FARC e não desiste de atingir este objectivo, mesmo depois dos termos do acordo inicial ter sido rejeitado em referendo.
Santos estudou Mandela para fazer a paz na Colômbia
Celso Filipe 07 de Outubro de 2016 às 11:16

Surpreendentemente, no domingo dia 2 de Outubro, os colombianos recusaram em referendo o acordo de paz assinado entre o Governo e as FARC (Forças Armadas Revolucionárias Colombianas), lideradas por Rodrigo Londoño Echeverri, para pôr fim a uma guerra que dura há mais de 50 anos, contabilizando 200 mil mortos e 80 mil desaparecidos, o qual deixou profundas feridas no país.

Apesar deste revês, o presidente colombiano, Juan Manuel Santos, não desiste do acordo e recebeu esta sexta-feira, 7 de Outubro, uma motivação extra para continuar este caminho, ao ver-lhe atribuído o Nobel da Paz pela Real Academia Sueca.

O actual presidente colombiano nasceu a 10 de Agosto de 1951 na capital do país, Bogotá. Desempenhou vários cargos governativos até ascender à presidência, em 2010. Foi ministro do Comércio Exterior do Governo liderado por César Gavira, ministro das Finanças durante o consulado de Andrés Pastrana, e ministro da Defesa do presidente Álvaro Uribe, que agora liderou o movimento contra o acordo de paz assinado entre Juan Manuel Santos e as FARC. Como titular da pasta da Defesa obteve um êxito importante na luta contra as mesmas FARC, com que agora promoveu a reconciliação nacional.

Quando assinou o acordo de paz, a 27 de Agosto deste ano, Juan Manuel Santos declarou: "Persistimos e estamos a terminar, por fim, a longa noite de dor e violência para entrar num dia de concórdia, justiça e fraternidade. Esta é a hora da Colômbia, mas também a hora da misericórdia, do perdão e de reconciliação".

Santos pertence a uma das famílias mais tradicionais da Colômbia e o seu avô, Eduardo Santos, além de proprietário do influente jornal El Tiempo, também foi chefe do Estado do país entre 1938 e 1942. O seu pai, Enrique Santos Castillo foi editor deste jornal durante 50 anos e o seu irmão, Enrique Santos Calderón, director do mesmo durante uma década, até ter sido vendido ao grupo espanhol Planeta.

Num editorial de 27 de Setembro, o El Tiempo escrevia: "Santos, que foi jornalista nesta casa e chegou a ser vice-director, sempre esteve interessado nas questões relacionadas com a paz, que o levaram a analisar os diferentes processos noutros países, especialmente em relação à África do Sul e à sua figura emblemática, Nelson Mandela".

Formado em Economia e Administração de Empresas pela Universidade de Kansas, nos Estados Unidos, fez uma pós-graduação na London School of Economics em Harvard e foi um dos fundadores do Partido Social de Unidade Nacional em 2005. É casado com Maria Clemencia Rodríguez e tem três filhos. A 14 de Novembro de 2012 Portugal agraciou-o com o Grande-Colar da Ordem D. Infante D. Henrique.

Em 1999, Juan Manuel Santos lançou o livro "Uma Terceira Via para a Colômbia", que foi beber inspiração à Terceira Via de Tony Blair do seu ideólogo, Anthony Giddens. O conceito que suportava a Terceira Via de Santos era simples: "o mercado sempre que seja possível, o Estado sempre que seja necessário".

A 27 de Agosto, depois de assinado o acordo de paz, Santos desenhou com palavras a Colômbia do futuro: "o país que estamos a construir é um país inclusivo, um país onde todos nos encaixamos, onde podemos pensar de forma diferente, mas convivendo sempre em paz, sem agredirmos e sem matarmos pelas nossas diferenças".

A 14 de Novembro de 2012 Portugal agraciou Juan Manuel Santos com o Grande-Colar da Ordem D. Infante D. Henrique
A 14 de Novembro de 2012 Portugal agraciou Juan Manuel Santos com o Grande-Colar da Ordem D. Infante D. Henrique
Reuters



A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 07.10.2016


Peeensionista da CGA

És proprietário da parte da pensão que corresponde aos descontos efetuados!

O resto, mais de metade, é uma esmola que os trabalhadores e os contribuintes portugueses te dão, 14 meses por ano.

comentários mais recentes
João Silva 08.10.2016

Na minha opinião a paz deve ser sempre o objectivo, nunca a guerra.

Anónimo 07.10.2016

Estudou Mandela para fazer a paz?
Mandela, que cantava "mate o homem branco"!
Parabéns ao povo da Colômbia que rejeitou esse acordo esdrúxulo para livrar os bandidos comunistas das FARC das masmorras.

Anónimo 07.10.2016


PS LADRÃO, em ação (sempre a roubar os trabalhadores do privado).

COSTA LADRÃO aumenta impostos, aumenta dívida, aumenta despesa com salários e pensões da FP…

e corta em tudo o resto!

Anónimo 07.10.2016


SALÁRIO MÉDIO DOS PROFESSORES PORTUGUESES É O 3.º MAIS ALTO DA EUROPA, EM 2015 (antes da reposição dos salários da FP).

"No caso dos docentes com salários mais altos, em que o rendimento dos docentes é superior ao PIB per capita, Portugal aparece em destaque como o terceiro com salários mais elevados da Europa: Bosnia Herzegovina (327%), Chipre (282%) e Portugal (245%)."

Relatório da Eurydice.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub