Empresas Santos Silva promete apoios a empresários que apostem nos mercados árabes

Santos Silva promete apoios a empresários que apostem nos mercados árabes

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, garantiu que os empresários portugueses vão continuar a contar com apoios à internacionalização e às trocas comerciais com o mercado árabe, sob a forma de créditos à exportação.
Santos Silva promete apoios a empresários que apostem nos mercados árabes
Miguel Baltazar
Lusa 03 de Outubro de 2016 às 21:04

"No que se refere aos estímulos à internacionalização da economia portuguesa e às trocas comerciais com os países árabes, os empresários aqui reunidos podem contar - do lado do Governo - com várias iniciativas e medidas. [Em primeiro lugar] Podem contar com a continuação do apoio às empresas exportadoras na abertura de novos mercados, no reforço da penetração em mercados com presença já estabelecida e também nos instrumentos de crédito às exportações", disse Augusto Santos Silva esta segunda-feira, 3 de Outubro.

 

O ministro, que falava no encerramento do 4.º Fórum Económico Portugal-Países Árabes, recordou que os empresários também poderão apoiar-se no "novo papel que vai ter a SOFID", a sociedade financeira portuguesa para o desenvolvimento.

 

"Em segundo lugar podem contar com um novo papel que vai ter a SOFID, um instrumento para alavancar financiamentos multilaterais, para projectos que são ao mesmo tempo de cooperação entre países e de internacionalização das respectivas economias", realçou o ministro.

 

No entanto, o responsável destacou a "prioridade absoluta" que o governo português está a dar a um sector, o agro-alimentar.

 

"Podem contar com a prioridade absoluta que nós estamos a dar à internacionalização ao nosso sector agro-alimentar. É costume referir-se, e bem, à verdadeira revolução na tecnologia e na gestão que tiveram o sector têxtil e do calçado. Mas o sector agro-alimentar português está a passar uma revolução semelhante e sei que os países árabes são particularmente atentos às questões da segurança alimentar e da qualidade dos bens agro-alimentares", sublinhou Santos Silva.

 

O ministro referiu que as relações económicas de Portugal com os países árabes - um mercado global de cerca de 400 milhões de consumidores - multiplicaram-se por quatro nos últimos dez anos, mas realçou que "ainda há muito caminho por fazer". Enquanto fornecedor, Portugal representa 3% nos países árabes e como importador 4%.

 

Augusto Santos Silva recordou que o mundo enfrenta várias crises e desafios, na Europa e também no Mundo Árabe, mas sublinhou que a economia é a melhor forma de os ultrapassar. "Devemos olhar para estes desafios e crises com a consciência de que os podemos superar. E nada melhor do que através da economia", disse o ministro, que ainda à situação um dos versos do poeta português Luís de Camões: "Quem faz o comércio, não quer a guerra".

 

O 4.º Fórum Económico Portugal-Países Árabes decorre em Lisboa até terça-feira.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 03.10.2016

Não há dúvida que o 44 se rodeava de "Santos Silva". às tantas, em algumas escutas ainda vão descobrir que afinal era deste que se falava. É que estes "Santos Silva" são uns mãos largas. Até para os arabes que têm problemas de dinheiro.

comentários mais recentes
xras45 04.10.2016

Até dá pena. Arabes para negociar ? É do pior que pode haver. Mentirosos, falsos.
Deixem os arabes em paz porque eles ou tem petroleo ou NADA.

Anónimo 03.10.2016

Como a anedota nao tem piada tem o palhaco de comer o que fabricou.

Anónimo 03.10.2016

Não há dúvida que o 44 se rodeava de "Santos Silva". às tantas, em algumas escutas ainda vão descobrir que afinal era deste que se falava. É que estes "Santos Silva" são uns mãos largas. Até para os arabes que têm problemas de dinheiro.

Outline 03.10.2016

Assim é uma maravilha governar, depois do (mal que dele disseram) Paulo Portas ter corrido o mundo a vender os produtos nacionais com sucesso. Agora é só apresentar o catálogo e passar a factura. Os xu xas sempre colheram os louros do trabalho alheio.

pub