Saúde Sarampo: Governo garante que surto está em vias de resolução

Sarampo: Governo garante que surto está em vias de resolução

O ministro da Saúde disse que estão confirmados 21 casos de sarampo e que desde sexta-feira não há ocorrência de nenhum caso.
Sarampo: Governo garante que surto está em vias de resolução
Bruno simão
Lusa 19 de abril de 2017 às 11:16
O ministro da Saúde anunciou hoje que o surto de sarampo está "em vias de resolução" e afirmou que o debate em torno da possibilidade de tornar a vacinação obrigatória está aberto, mas que este não é o momento certo para uma decisão desta natureza.

Adalberto Campos Fernandes falava numa conferência de imprensa sobre o surto de sarampo que se regista em Portugal.

O ministro disse que estão confirmados 21 casos de sarampo e que desde sexta-feira não há ocorrência de nenhum caso.

"Acreditamos que estamos no início de um processo de estabilização", afirmou.

O ministro sublinhou a importância da população confiar nos serviços de saúde e do dispositivo montado para responder a este surto que atinge Portugal, mas também outros países europeus, como a Itália, onde estão notificados 1.500 casos de sarampo.

"O dispositivo está a funcionar, as autoridades de saúde estão a trabalhar, o Ministério da Saúde e o Ministério da Educação estão a trabalhar em conjunto para tranquilizar os pais. Não há razão para alarme", disse.

Ainda hoje a Direcção Geral da Saúde deverá emitir um conjunto de informações para as escolas, tendo em conta que hoje se inicia o terceiro período escolar e são justificadas algumas apreensões dos pais.

"Hoje mesmo falei com o ministro da educação e vão ser dadas orientações aos directores escolares para que possam tranquilizar as famílias", adiantou.

Em relação aos maiores de 40 anos, estes têm "uma elevadíssima probabilidade de estarem imunizadas".



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub