Mundo Schäuble avisa o Reino Unido: “Não há almoços grátis”

Schäuble avisa o Reino Unido: “Não há almoços grátis”

As negociações para a saída do Reino Unido prometem ser duras e o ministro das Finanças da Alemanha já deixou bem claro que não será fácil.
Schäuble avisa o Reino Unido: “Não há almoços grátis”
Negócios 06 de setembro de 2017 às 15:50

"Não haverá almoços grátis" nas negociações para a saída do Reino Unido da União Europeia, conhecido como Brexit. Quem o disse foi o ministro das Finanças da Alemanha, Wolfgang Schäuble, durante uma conferência que decorreu em Frankfurt. As declarações do responsável, citadas pela Bloomberg, foram proferidas através de um vídeo.

 

"O Brexit foi uma decisão que pensamos ser errada de todos os ângulos", afirmou o ministro das Finanças da Alemanha. "Mas os britânicos tomaram-na e agora temos de tentar encontrar soluções que reduzam os danos para ambos os lados ao mínimo possível."

 

"Penso que começou a curva de aprendizagem no Reino Unido", afirmou Schäuble, acrescentando que "não devemos travar a curva de aprendizagem com provocação, mas devemos adoptar uma posição clara, robusta, associada à boa vontade de negociar", adiantou o mesmo responsável, que considera que Michel Barnier, responsável da UE pelas negociações, está a lidar com as conversações "de forma muito apropriada".




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
invicta Há 2 semanas

Agora não lhe chamam os disparates que é habitual. Há gentinha que mesmo tendo ele razão no que diz, não quer ouvir por não lhe interessar e isto, quando ele fala do governo português. Dos outros, pode ele falar que até acham graça e justificação para as suas ideias.

... E ROUBANDO OBRAS DE ARTE E NÃO SÓ (2) Há 2 semanas

Porém, desta vez, a Inglaterra não lida com um fraco, mas com um à sua altura, pelo que a Alemanha faz muito bam em obriga-la a cumprir as suas obrigações.
Não se pode estar dentro para o que interessa e fora para alijar responsabilidades.

Anónimo Há 2 semanas

A vingança latente denota ainda os resquícios da 2 guerra mundial que antes do Brexit eram demasiado evidentes e daí a saída prevista e estudada caso contrário a Inglaterra teria aderido ao euro.O confronto agora não territorial pode deflagrar num conflito mais sério.

... E ROUBANDO OBRAS DE ARTE E NÃO SÓ Há 2 semanas

A Inglaterra sempre foi forte e implacável para os mais fracos.
PORTUGAL TEM DISSO AMARGA EXPERIÊNCIA, QUANDO, DURANTE A FUGA DA FAMÍLIA REAL PARA O BRASIL, O MARECHAL INGLÊS BERESFORD SE COMPORTOU, Ñ COMO UM ALIADO, MAS COMO CHEFE DE EXÉRCITO DE OCUPAÇÃO, EXERCENDO BRUTALIDADES SOBRE O N/ POVO ...

pub
pub
pub
pub