União Europeia Schäuble confirma comparação de Centeno a Ronaldo: "É uma estrela no Ecofin"

Schäuble confirma comparação de Centeno a Ronaldo: "É uma estrela no Ecofin"

O ministério germânico diz que Schäuble apelidou Centeno de "estrela" do conselho de ministros de Finanças da União Europeia, depois de uma conversa sobre outra estrela de futebol, Cristiano Ronaldo.
Schäuble confirma comparação de Centeno a Ronaldo: "É uma estrela no Ecofin"
Reuters
Paulo Zacarias Gomes 26 de maio de 2017 às 15:39
A informação tinha sido transmitida por fonte portuguesa não identificada ao Politico, mas agora chega a confirmação do outro lado: a comparação entre Mário Centeno e Cristiano Ronaldo foi mesmo feita pelo ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble.

Em resposta a questões do Jornal de Negócios, o porta-voz do ministro germânico confirma que Schäuble se referiu ao colega português como uma "estrela do Ecofin", na sequência de uma conversa em que apelidava Cristiano Ronaldo como uma "estrela portuguesa de futebol".

"À margem do encontro dos ministros das Finanças em Bruxelas, o ministro Schäuble teve uma conversa sobre futebol e a estrela portuguesa de futebol Cristiano Ronaldo. Num reparo descontraído e amigável, o ministro notou que o conselho do Ecofin também tem uma estrela portuguesa: o ministro Centeno," afirmou aquela fonte. 

A comparação tinha sido feita na terça-feira passada e revelada pelo Politico, na sua newsletter diária, numa altura em que o nome de Centeno também voltava a surgir como possível novo presidente para um outro "clube" de ministros, neste caso os do euro, reunidos no Eurogrupo. Mas, neste caso, fazendo a leitura de que Schäuble teria chamado a Centeno "o Ronaldo do Eurogrupo."

As palavras de Schäuble marcam um tom mais amigável e distendido em relação ao adoptado até aqui nas declarações sobre o actual Governo português. A 26 de Outubro do ano passado, quase um ano volvido sobre as eleições que deram vitória ao PSD mas resultaram na formação de um Governo do PS com apoio à esquerda, Schäuble deixou uma "alfinetada": "Portugal vinha tendo muito sucesso até [à chegada de] um novo Governo".

Antes disso, pelo menos por duas vezes o ministro das Finanças de Angela Merkel se referiu à situação em Portugal: em Fevereiro do ano passado "encorajava fortemente" a equipa de Centeno a não fugir ao "rumo bem-sucedido que vinha sendo seguido"; e em Junho deixou no ar a possibilidade de um segundo resgate caso não cumprisse as regras europeias.

Na resposta às declarações de Outubro, o primeiro-ministro António Costa disse dar "sobretudo atenção aos alemães que conhecem Portugal e, por isso, sabem do que falam", enquanto o ministro da Economia, Caldeira Cabral, as considerou "irresponsáveis".

E ainda não passaram três meses desde a última vez que, em Março, Schäuble deixou um alerta renovado ao país: "O meu alerta para Portugal é: certifiquem-se que não será necessário um novo programa" de assistência financeira, disse o ministro alemão citado pela Bloomberg.

A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado GabrielOrfaoGoncalves Há 4 semanas

Quanto à sobretaxa, é preciso fazer umas contas elementares antes:

Se o PIB crescer 2,8% este ano, a dívida pública, para diminuir em relação ao PIB, tem de registar um crescimento abaixo desses 2,8%. Centeno está em condições de garantir isto?

É já certo que a dívida, em termos absolutos, vai crescer. Não há mal por isso. Há mal é se a dívida, em relação ao PIB, não diminuir.

Continuaremos então a pagar aos nossos credores 8 mil milhões de euros, mais coisa menos coisa, por ano. O equivalente a 16 submarinos por ano! Qual a Pátria que gosta de ver sair cerca de 4,5% da sua riqueza para pagar juros de uma dívida... que não apresenta sinais de descer, em relação à riqueza produzida?

Por isso preferia que a sobretaxa se tivesse mantido. Que se tivesse mantido até que houvesse um ano orçamental em que a dívida, em relação ao PIB, descesse!

Nota: nunca votei PPC, PP, nem PàF. Os cadernos eleitorais atestam que nas últimas eleições não fui votar.

comentários mais recentes
Desanimado Há 4 semanas

Elogios cínicos de inimigos de Portugal dispensam-se!

Palmadinhas nas costas Há 4 semanas

O importante é que continuemos a pagar as dívidas e juros a 4% aos alemães enquanto eles pagam 1,3% e enriquecem com a nossa austeridade e miséria. Cheira a VW.

Anónimo Há 4 semanas

E O GASPAR E A ALBUQUERQUE SÃO DO MAIOR LIXO QUE PASSOU PELAS FINANÇAS, APENAS SOUBERAM ROUBAR PARA PAGAR AOS BANCOS, MAIS NADA.

Invicta Há 4 semanas

Porque se preocupam tanto com o que o homem diz?

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub