Política Monetária Schäuble diz que políticas monetárias atingiram o limite, mas Krugman quer mais

Schäuble diz que políticas monetárias atingiram o limite, mas Krugman quer mais

O ministro alemão das Finanças defende que "as políticas monetárias atingiram o topo do limite das suas possibilidades". Pelo contrário, o economista Paul Krugman acredita que nem mesmo o actual volume de políticas expansionistas é suficiente: "precisamos de mais".
Schäuble diz que políticas monetárias atingiram o limite, mas Krugman quer mais
David Santiago 03 de Novembro de 2016 às 21:32

Continua quente o debate em torno das políticas monetárias expansionistas, adoptadas e reforçadas pelos bancos centrais das maiores economias mundiais. Numa conferência realizada esta quinta-feira, 3 de Novembro, em Frankfurt, Wolfgang Schäuble afirmou que "as políticas monetárias atingiram o topo do limite das suas possibilidades, com todos os riscos e efeitos colaterais".

 

O ministro alemão das Finanças referia-se às políticas expansionistas adoptadas pelo Banco Central Europeu (BCE) que, além de manter as taxas de juro em mínimos históricos, tem em curso um programa mensal de compra de activos que definiu como objectivo comprar uma média de 80 mil milhões de euros de activos por mês. Este programa foi prolongado até Março de 2017, mas o presidente da instituição, Mario Draghi, já mostrou disponibilidade para continuar se as condições económicas assim o determinarem.

 

Contudo, Schäuble considera que estas políticas acomodatícias são dissuasoras da prossecução de reformas estruturais que assegurem a estabilidade orçamental que o ministro germânico considera primordial. "Temos uma moeda comum (euro), mas esta divisa comum não deve minar incentivos às reformas [estruturais] necessárias", disse Schäuble citado pela agência Bloomberg.

 

Defensor das políticas de austeridade adoptadas no âmbito da Zona Euro como resposta à crise das dívidas soberanas que se seguiu à crise financeira de 2008, o governante alemão sustentou que tendo em conta a inexistência de políticas orçamentais comuns (a propalada união orçamental no seio do bloco do euro) na Zona Euro, as políticas monetárias deveriam ser acompanhadas de um conjunto de medidas de cariz orçamental sujeito às regras europeias.

 

Na mesma linha falou esta quinta-feira, em Amesterdão, um outro crítico das políticas levadas a cabo pelo BCE, o também alemão Jens Weidmann. Este presidente do banco central germânico (Bundesbank) defendeu que a instituição liderada por Draghi deveria dar tempo para que os estímulos económicos adoptados pudessem demonstrar o seu completo impacto na taxa de inflação. Em Outubro os preços no consumidor cresceram para os 0,5% face ao período homólogo, evolução ainda muito distante da meta em torno de 2% pretendida pelo BCE.

 

Já Paul Krugman, em entrevista concedida esta quinta-feira à Bloomberg, sustentou precisamente o contrário. O economista laureado com o Prémio Nobel da Economia admite que "nós já temos políticas monetárias expansionistas não convencionais", reportando-se também às medidas seguidas pela Reserva Federal dos Estados Unidos ou às diversas fases do programa aplicado no Japão (Abenomics).

 

No entanto, Krugman defende que tendo em conta a "grande escassez de procura" ao nível mundial e o "risco de ‘japanização’ no mundo desenvolvido e em desenvolvimento" (ou seja, o risco de estagnação e deflação) as políticas monetárias já até aqui adoptadas "não são suficientes, precisamos de mais".




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Chelsia Há 3 semanas

That's not just the best anerws. It's the bestest answer!

abelavida Há 4 semanas

È o que tem acoincedido de facto. As boas condições não estão a ser aproveitadas para reformar e tornar o país mais eficiente mas sim para aguentar um conjunto de ineficiências que nos conduz a uma estagnação. No entanto as politicas monetárias são muito importantes. Acho que se está a ir pelo lado errado. O helicóptero traria muito melhores resultados e ajudaria mais os países menos ricos. Que haja coragem para seguir esse caminho. Só por si não resolve nada mas é bem melhor que continuar a injectar e injectar dinheiro no sistema financeiro através do endividamento.

CarlosAP Há 4 semanas

Krugman.. Nobel da estupidez económica isso sim

pub