Finanças Públicas Schäuble "sensibilizado" com elogios de portugueses

Schäuble "sensibilizado" com elogios de portugueses

Em declarações ao Financial Times, o ministro alemão das Finanças mostrou-se "tocado" pelas referências recentes à sua pessoa em Portugal, quando se soube que sairia do cargo que ocupou durante oito anos para ir para o parlamento germânico.
Schäuble "sensibilizado" com elogios de portugueses
Paulo Zacarias Gomes 08 de outubro de 2017 às 18:52
O ainda ministro alemão das Finanças, que ocupou o cargo nos últimos oito anos - nomeadamente durante o tempo em que Portugal ficou sob resgate financeiro da troika - diz ter ficado "sensibilizado" com os elogios feitos na imprensa portuguesa nas últimas semanas, a dias de deixar o cargo. 

Com uma relação por vezes difícil com parte do país - defendendo políticas austeritárias e tecendo algumas declarações sobre o sucesso do actual Governo no início do mandato -, Wolfgang Schäuble diz este domingo, 8 de Outubro, em entrevista ao Financial Times ter ficado "encantado" (a palavra é do jornal britânico) com uma reacção na imprensa portuguesa à sua saída do ministério. 

"Fiquei muito satisfeito quando foi anunciado que eu tinha decidido mudar para outra função que este jornal português tenha escrito algo como ‘Wolfgang, perdoamos-te, por favor fica. Foi bastante tocante," recordou.

O ministro não é específico na referência, mas na semana em que se soube da saída de Schäuble, o antigo membro da equipa de Passos Coelho, Luís Campos Ferreira, escreveu um texto de opinião publicado no Correio da Manhã intitulado "E agora, Alemanha?".

No texto, o ex-secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e Cooperação defendia que a saída do ministro poderia pôr em causa a solidariedade dentro da União Europeia, finalizndo com: "É por estas e por outras que ainda vamos ouvir muito boa gente a dizer: 'Volta, Schäuble, estás perdoado!'".

Na entrevista ao FT, Schäuble defendeu que a implementação de reformas no âmbito dos resgates financeiros na Zona Euro teve como objectivo obter uma política financeira "previsível e fiável para recuperar a confiança e gerar crescimento."

Na véspera da sua última presença no Eurogrupo antes de passar a liderar o Bundestag, Wolfgang Schäuble voltou a defender o papel das reformas nos programas de resgate na Grécia, Portugal, Irlanda e Chipre.

"Argumentaria com qualquer um - até de forma mais forte que há oito anos - que esta política gera mais crescimento sustentável que qualquer outra," afirmou ao periódico. 

Recuando oito anos, Schäuble reconheceu ter ficado surpreendido pela sua escolha para a pasta das Finanças - "Nunca fui um grande economista, sou um advogado alemão - não é tão entusiasmante - e o meu inglês também não é muito bom." 

Schäuble admite ainda que por vezes enfureceu os seus colegas no Eurogrupo: "Nem todos ficarão tristes por já não ter de me aguentar. Mas tivemos sempre um grande espírito de equipa no Eurogrupo. E concordámos em muitas coisas", afirmou.



A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 6 dias

Em portugal é que há evasão fiscal e necessitamos de muito controlo, mas tentem pedir fatura na alemanha.

quota de deficientes 8mentais) Há 1 semana

Este anormal entrou para o governo alemão para preencher o racio de deficientes no executivo, só que . . . a deficiência não á física. . . é mental

sadomasiquistas alemães há muitos Há 1 semana

sadomasoquista! - na alemanha há muitos !

Pois Há 2 semanas

Foi engano, eram para o Mario Draghi. Se não fosse o super Mário chegar, este bosh já não teria Europa com que se coçar. Tudo teria implodido.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub