União Europeia Schäuble: Trump é "sinal de alerta" para a Europa

Schäuble: Trump é "sinal de alerta" para a Europa

Em entrevista ao Financial Times, o ministro alemão das Finanças diz que há muito os EUA têm razão quando pedem à Europa que faça mais pela defesa. A hora de corresponder a esse pedido foi agora acelerada com a vitória de Trump.
Schäuble: Trump é "sinal de alerta" para a Europa
Eva Gaspar 17 de Novembro de 2016 às 19:35

O ministro alemão das Finanças, Wolfgang Schäuble, diz que a vitória de Donald Trump nas presidenciais norte-americanas deve ser entendida pela Europa como um "sinal de alerta" da necessidade de o Velho Continente fazer mais pela sua defesa e pela segurança no mundo.

"Acredito que os Estados Unidos permanecem indispensáveis num mundo que quer estar em paz", mas a chegada de Trump à Casa Branca deve ser entendida como um "sinal de alerta", defende, em entrevista ao Financial Times.

"Os americanos sempre tiveram razão quando pediam por um pouco mais de partilha de responsabilidades por parte da Europa", acrescenta, ao defender que a hora de corresponder a esse pedido terá sido agora acelerada com a iminente tomada de posse de um presidente que, durante a campanha eleitoral, prometeu que os norte-americanos passariam a pagar menos pela segurança de outros países.

Sobre o Brexit, Schäuble adverte que Berlim não vai facilitar nas negociações, ao contrário do que em Londres se possa supor. A "Europa não é 'à la carte'", diz, avisando que, se o Reino Unido quer impor entraves à circulação de trabalhadores dos demais países da UE, não pode esperar a manutenção da "via verde" no sector financeiro. "Sem aceitar o mercado interno e as suas quatro liberdades fundamentais não pode, obviamente, haver 'passaporte' ou livre acesso a produtos e agentes financeiros", avisa.

O ministro alemão diz ainda que há compromissos financeiros assumidos no quadro da UE que o Reino Unido tem de honrar, e que, uma vez feito o divórcio, há regras e tratados internacionais, designadamente no domínio da regulação da concorrência, que espera sejam cumpridos.




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Alemanha aproveita para voltar a formar um exercito e ter novamente armas.... Ninguem faz nada...

5640533 Há 2 semanas

Pela primeira vez concordo com o sinistro.

O efeito chavez Há 2 semanas

eu até concordo com o Wolfgang Schäuble, quando ele diz que devemos estar alerta, porque em certos aspectos os economistas de EUA assemelham-se aos marxistas ortodoxos, um deles é a crença ingénua que o social explica-se unicamente pelo económico

Donos dos Burros Há 2 semanas

Este aleijado tem os dias contado, para cair da cadeira. Na próxima a França elege Le Pen e a Holanda mostrará mais uma vez que, em matéria de dinheiro pensa por si. Vamos ver-nos livres desta corja amiga do Passos por uns tempos. Depois eles voltam à manjedoura e tenho que lhes dar a palha.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub