Europa Schulz sai da liderança do SPD para ser o novo MNE de Merkel

Schulz sai da liderança do SPD para ser o novo MNE de Merkel

“Vou lutar pela renovação da União Europeia”, disse o antigo líder do Parlamento Europeu, que deixou este cargo para concorrer contra a chanceler alemã nas últimas legislativas.
Schulz sai da liderança do SPD para ser o novo MNE de Merkel
EPA
Negócios 07 de fevereiro de 2018 às 18:22

Martin Schulz confirmou esta quarta-feira que pretende abandonar a liderança do SPD depois de 4 de Março, data em que partido vai referendar a coligação de governo firmada hoje com a CDU de Angela Merkel.

 

O objectivo de Schulz passa por assumir a pasta dos Negócios Estrangeiros no novo Governo de Angela Merkel. "Vou lutar pela renovação da União Europeia", disse o antigo líder do Parlamento Europeu, que deixou este cargo para concorrer contra a chanceler alemã nas últimas legislativas.

 

Em declarações citadas pela Reuters, o ainda líder do SPD afirmou estar optimista com a votação do referendo do seu partido, que foi agendada para 4 de Março, e que é o último obstáculo à formação da coligação conhecida por "GroKo".

 

Schulz apontou já quem lhe deve substituir à frente do SPD, apontando o nome de Andrea Nahles, que é actualmente líder da bancada parlamentar do partido.

 

Além dos Negócios Estrangeiros, os sociais-democratas conseguiram ficar com algumas pastas importantes. É o caso das Finanças, que era uma das principais exigências, mas também o Trabalho.

 

O novo ministro das Finanças será Olaf Scholz, 59 anos, presidente da Câmara de Hamburgo desde Março de 2011. A Reuters, que cita esta informação, sublinha que o social-democrata tende a favorecer os gastos públicos em detrimento de uma política mais austera, o que "sugere que haverá uma mudança em relação às restritas políticas orçamentais" protagonizadas pelo antigo ministro Wolfgang Schäuble.

 

As eleições alemãs já foram há mais de quatro meses e a vencedora, Angela Merkel, tinha tido até agora dificuldade em encontrar um parceiro com o qual pudesse governar.

 

Num documento de 167 páginas e 14 capítulos que será a base da governação da maior economia europeia nos próximos quatro anos, um dos capítulos prioritários é o reforço da União Europeia. Algo que era exigido por Martin Schulz, que presidiu nos últimos anos ao Parlamento Europeu e que tinha na criação de uma espécie de Estados Unidos da Europa uma das principais bandeiras. O influente chefe de gabinete de Jean Claude Juncker, de origem alemã, já saudou essas várias referências ao bloco europeu, numa publicação feita nas redes sociais.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 11.02.2018

O que o Hitler perdeu com as armas, ganha agora a Merkel com a sua economia; sem dar um so tiro!

Anónimo 07.02.2018

Hoje em dia a UE já faz transferências e concede ajudas e financiamentos aos Estados-Membros menos ricos e desenvolvidos. No futuro, com uma UE federal com um orçamento maior e mais competências políticas a nível federal, mais direitos (como mais transferências para os Estados e economias que têm menos, e mais e melhor cidadania europeia) implicarão ainda mais deveres (como reformas adequadas feitas na íntegra e de forma atempada) para cada Estado-Membro. Esses deveres, tantas vezes referidos por instituições como a Comissão Europeia, o FMI e a OCDE de forma quase informal e geralmente inconsequente, hoje em dia não são cumpridos. Com uma UE federal existirão meios e ferramentas para que as reformas, os deveres, avancem no seu tempo e Estados-Membros como Portugal e a Grécia não se desleixem e atrasem tanto por força dos seus políticos eleitoralistas mais irresponsáveis, dos seus sindicalistas chantagistas mais fundamentalistas e dos seus banqueiros criminosos mais extorsionários.

Anónimo 07.02.2018

o SPD alemão vai ficar muitos anos na oposição! Até rima e bem! Quem aspira a ser pau de cabeleira não pode aspirar a ser governo! O Dr. Rio que tenha muito juizinho se não quer levar o PPD/PSD pelo mesmo caminho do SPD alemão.

General Ciresp 07.02.2018

Ja tenho verificado mais do q uma vez q uma noticia do centro da Europa se nao for posta no congelador ela chega a portugal impropria para consumo.

pub