Ambiente Secretário de Estado aponta origem criminosa para fogos de hoje

Secretário de Estado aponta origem criminosa para fogos de hoje

O secretário de Estado da Administração Interna considerou que os incêndios florestais registados hoje têm origem criminosa, uma vez que as áreas que estão a arder são aquelas onde há pastorícia.
Secretário de Estado aponta origem criminosa para fogos de hoje
Lusa 15 de outubro de 2017 às 18:11
"As áreas onde há pastorícia estão todas a arder. Isto não é por acaso", disse Jorge Gomes, que está em Arouca, onde está situado o posto de comando do incêndio de Vale de Cambra, no distrito de Aveiro, à agência Lusa.

Questionado se considerava que os incêndios de hoje tinham origem criminosa, o secretário de Estado respondeu: "Sim".

"Não se põe um país arder de um dia para outro só porque se anunciou que amanhã [segunda-feira] vai haver chuva. Como vai haver chuva, os pastos estão proibidos de fazer queimadas, foi prolongada a proibição até 31 de Outubro, há gente que não resiste a isso, que olha para os seus interesses pessoais", sustentou.

Jorge Gomes disse também que hoje está a ser um "dia muito complicado", existindo "quase 19 grandes incêndios" e é o dia do ano em que se registam "em simultâneo" o maior número de fogos de grande dimensão.

O secretário de Estado garantiu ainda que "estão todos os meios mobilizados", não estando a ser retirados dos distritos que não têm fogos, porque também pode surgir nestas zonas incêndios.

"O dispositivo foi reforçado desde a semana passada em 1.000 homens porque as condições do tempo não desagravavam. Mas isto é tudo insuficiente. Não há muito a fazer a não ser combater os incêndios e defender as pessoas e os seus bens. É isso que estão a fazer os operacionais", acrescentou.

Jorge Gomes ainda vai deslocar-se hoje a outros incêndios.

A adjunta de operações nacional da Autoridade Nacional da Protecção Civil (ANPC) Patrícia Gaspar afirmou que hoje "foi o pior dia do ano em matéria de incêndios", tendo sido ultrapassados os 300 fogos florestais.

A responsável da ANPC afirmou ainda que, às 17:30, existiam 13 incêndios de importância elevada, destacando como mais graves os de Monção, o de Seia, o de Vale de Cambra, Lousã, Sertã e Arganil.



A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
SALAZAR Há 4 dias

DIGO ISSO HÁ MAIS DE DEZ ANOS. SÓ AGORA É QUE DESCOBRIRAM... QUANDO É POR DEMAIS EVIDENTE. O PORTUGUÊS É MUITO BURRO, SÓ CHEGA LÁ MUITOS ANOS DEPOIS QUANDO QUALQUER UM VÊ.

Anónimo Há 4 dias

Há uma máfia nos incêndios, os engenhos chovem do céu, em Pedrogão e em todos os outros,
toda a gente sabe, o governo , e as investigações ignoram e os FOGOS Vão continuar a dizimar o
país,as finanças públicas . Há males que não se tratam com SANAPISMOS .

Pontes Há 4 dias

O homem não perceberá quanto deprimente é esta ladainha? Sempre foram... e afinal o que fizeram para além de terem colocado professores de educação física na Coordenação da Protecção civil?

Anónimo Há 4 dias

É a pastorice. São os caçadores. São os madeireiros. São os doentes mentais que para eles os montes limpos só com incêndios. Como se pode terminar com estas tragédias?

ver mais comentários
Notícias Relacionadas
Saber mais e Alertas
pub