Economia Secretários de Estado vão explicar no parlamento programa de regularização de precários

Secretários de Estado vão explicar no parlamento programa de regularização de precários

O parlamento vai ouvir até ao início da próxima semana a secretários de Estado da Administração e do Emprego Público e o secretário de Estado do Emprego sobre o programa especial de regularização dos precários na função pública.
Secretários de Estado vão explicar no parlamento programa de regularização de precários
Bruno Simão/Negócios
Lusa 13 de setembro de 2017 às 20:48

A audição conjunta de Maria de Fátima Fonseca e Miguel Cabrita foi hoje aprovada numa reunião da comissão parlamentar de Trabalho e da Segurança Social, em que PSD e maioria parlamentar trocaram acusações.

 

O PSD pediu a audição separada dos dois secretários de Estado, mas a maioria de esquerda só aceitou a audição conjunta, dado que este programa tem uma tutela dupla, representada pelos dois secretários de Estado, como justificaram os deputados do PS Tiago Barbosa Ribeiro e do Bloco de Esquerda José Soeiro.

 

A deputada social-democrata considerou "pouco transparente" todo o processo, alertando que pode estar em causa "um despedimento colectivo" para quem não for considerado para a regularização dos precários.

 

A comissão de trabalho efectuou 13 audições com associações de precários e outras entidades nas últimas semanas.

 

Até final de Julho, o número de requerimentos apresentados para regularização dos precários na administração pública era da "ordem dos 30 mil trabalhadores", segundo o Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado (STE).

 

A proposta de lei que vai regular o Programa de Regularização Extraordinária dos Vínculos Precários da Administração Pública (PREVPAP) foi aprovada em Junho, em Conselho de Ministros, estando previsto entrar em vigor em 2018. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub