Segurança Social Segurança Social compra edifício à CGD por 50 milhões

Segurança Social compra edifício à CGD por 50 milhões

O Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social comprou a antiga sede do Banco Nacional Ultramarino ao Fundo de Pensões da CGD por 50 milhões de euros. Serviços e atendimento vão concentrar-se neste edifício, avança o Público.
Segurança Social compra edifício à CGD por 50 milhões
Correio da Manhã
Negócios 14 de junho de 2017 às 11:33

Em Maio, o Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social (FEFSS) comprou o edifício onde esteve instalada a sede do antigo Banco Nacional Ultramarino (fundiu-se com a CGD em 2000), localizado na Avenida de Berna, em Lisboa, por 50 milhões de euros ao Fundo de Pensões da Caixa Geral de Depósitos (CGD), avança na edição desta quarta-feira, 14 de Junho, o jornal Público.

Esta aquisição vai permitir à Segurança Social de Lisboa concentrar todos os serviços e atendimento ao público num só edifício, a partir do primeiro semestre do próximo ano. O diário salienta que neste prédio vai ser criada "uma espécie de loja da Segurança Social" onde vão estar assim concentrados todos os serviços "tais como o Centro Distrital de Segurança Social de Lisboa, juntas médicas, os serviços centrais do ISS e o Centro Nacional de Pensões".


Na antiga sede do Banco Nacional Ultramarino vão passar a trabalhar 1.500 pessoas, que actualmente estão em 13 edifícios da Segurança Social espalhados pela capital. A secretária de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim, em declarações ao jornal, indica que 12 desses 13 prédios pertencem à Segurança Social e vão ficar desocupados. Só o edifício localizado na zona lisboeta do Areeiro é que é arrendado, tendo uma renda anual de cerca de 400 mil euros. A Segurança Social vai assim poupar esta soma, mas está não é a fatia maior de poupanças. A poupança gerada pela decisão de concentrar todos os serviços num prédio ronda os 1,5 milhões de euros por ano. A fatia maior prende-se com "reduções em comunicações, serviços de limpeza, segurança, condomínios e manutenção".

O Público escreve ainda que "nas contas do ministério entra ainda uma potencial receita para o FEFSS com o arrendamento ou alienação dos imóveis que ficam livres, avaliados pelos mesmos 50 milhões de euros". Os 12 prédios onde, para já, funcionam os serviços e o atendimento ao público estão localizados em áreas centrais de Lisboa e, nesse sentido, Cláudia Joaquim considera que será possível "rentabilizar os edifícios com rendas ou aliená-los".

A secretária de Estado defende, em declarações ao diário, que com esta concentração vai haver um "reforço do atendimento" isto porque vai passar a haver uma "maior racionalização dos próprios recursos, criando-se sinergias" que agora não são possíveis porque "há funções e departamentos espalhados pela cidade".




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana

Segurança Social compra edifício à CGD por 50 milhões

depois DIzem que o dinheiro não chega para pagar as pensões!

SE O EDIFICIO FOSSE VENDIDO A QUALQUER AMIGO, O VALOR NÃO SERIA ESTE!

comentários mais recentes
Anónimo Há 6 dias

50 000 milhões de euros ,distribuídos ao universo de pensionistas cujo corte na sua pensão representa 50% da pensão, daria em média em valor actual da pensão de 500 euros cada , sendo 50 000 milhões daria um universo de 100000 mil pensionistas ! ... ora vejam lá se não faz sentido ! ?

Anónimo Há 1 semana

O PALERMA DO BCP NÃO SE CALA!

Anónimo Há 1 semana

Segurança Social compra edifício à CGD por 50 milhões

depois DIzem que o dinheiro não chega para pagar as pensões!

SE O EDIFICIO FOSSE VENDIDO A QUALQUER AMIGO, O VALOR NÃO SERIA ESTE!

Anónimo Há 1 semana

Se é o Mamarracho que eu penso que é, a CGD fez um excelente negocio à conta da nossa reforma, vai-nos custar mais um a dois meses de trabalho antes obter a idade da reforma. Esse edifício era um sapo morto que não interessava a ninguém, será que .....? não ....longe de mim pensamentos obscenos.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub