Função Pública Segurança Social é campeã nas queixas dos consumidores

Segurança Social é campeã nas queixas dos consumidores

A plataforma Portal da Queixa, que acolhe as reclamações dos consumidores online, contou com 4.133 reclamações desde o início do ano relativas a serviços públicos, um aumento de 168%.
Segurança Social é campeã nas queixas dos consumidores
Pedro Elias/Negócios
Alexandra Noronha 13 de dezembro de 2016 às 12:30

O Portal da Queixa contabilizou, desde o início do ano, 4.133 reclamações dirigidas a serviços públicos, um aumento de 168% face a 2015, segundo adiantou a plataforma em comunicado.


Entre as instituições que mais queixas motivam está a Segurança Social "que atinge um recorde de 1.089 este ano, sendo seguida pelo Centro Nacional de Pensões com 359 e a Autoridade Tributária e Aduaneira com 350", referiu o Portal da Queixa. "Depois seguem-se a Alfândega de Lisboa com 270 e o Ministério da Educação e da Ciência com 157 reclamações registadas. Por fim, e com igual relevância, o IEFP com 98 e o IMT e a ADSE com valores muito próximos", adiantou a plataforma.


Quanto às razões, o Portal da Queixa detalha que o "maior número de reclamações dos cidadãos é relativo a mau serviço prestado, atendimento, atraso de respostas, enganos e até ao serviço de apoio ao cidadão". Além disso, segundo o mesmo comunicado, há outras questões que motivam queixas, como "a situação das declarações de IRS encalhadas, a espera para a recepção do subsídio parental e os atrasos nos reembolsos por parte da ADSE".


Entre as entidades que melhor respondem, a que mais se destaca pela positiva é o Ministério da Educação e da Ciência com o "índice de satisfação mais alto (76,8 /100) no final do mês de Novembro, que resulta da capacidade de resposta e solução que a entidade teve no Portal da Queixa". Segue-se o Centro Nacional de Pensões (76,5) a Caixa Geral de Aposentações (74.7), a ADSE (61,5) e a Segurança Social (55.0).


O Portal da Queixa está a levar a cabo, em parceria com a Netquest, "um estudo acerca dos níveis de qualidade, relativos aos serviços prestados pelas entidades públicas em Portugal, na sequência do inquérito que está a ser colocado à disposição de todos os utilizadores da plataforma".


A plataforma foi lançada em 2009 e já recebeu mais de 50.000 reclamações. O projecto está em fase de internacionalização "para outros mercados europeus. Espanha será o primeiro mercado", segundo o mesmo documento. 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 13.12.2016


Comemorações Oficiais

FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO

Porque é que 7 000 000 de trabalhadores e pensionistas privados têm de ser cada vez mais sacrificados para sustentar a reposição dos salários, das pensões e das mordomias de 1 000 000 de ladrões FP / CGA?

São medidas injustas que vão enterrar os portugueses em mais de 2 000 milhões €, por ano, todos os anos!

Chega de mordomias para os funcionários públicos, são as 35 horas de trabalho, os dias de férias que começam nos 25 dias, as pensões muito acima dos restantes mortais e com muito menos anos de descontos, o bloco de "desculpas" para faltar ao trabalho, as inúmeras greves dos inúteis sindicatos, a impossibilidade de serem despedidos.


comentários mais recentes
pertinaz 13.12.2016

AI É ???

QUANDO É QUE A ASAE ENCERRA ESSE ESTAMINÉ ?

Anónimo 13.12.2016


Comemorações Oficiais

FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO

Porque é que 7 000 000 de trabalhadores e pensionistas privados têm de ser cada vez mais sacrificados para sustentar a reposição dos salários, das pensões e das mordomias de 1 000 000 de ladrões FP / CGA?

São medidas injustas que vão enterrar os portugueses em mais de 2 000 milhões €, por ano, todos os anos!

Chega de mordomias para os funcionários públicos, são as 35 horas de trabalho, os dias de férias que começam nos 25 dias, as pensões muito acima dos restantes mortais e com muito menos anos de descontos, o bloco de "desculpas" para faltar ao trabalho, as inúmeras greves dos inúteis sindicatos, a impossibilidade de serem despedidos.


pub