Economia Segurança Social perde 77 milhões de euros com isenções de contribuições

Segurança Social perde 77 milhões de euros com isenções de contribuições

O Governo estima que as reduções e isenções de contribuições para a Segurança Social da responsabilidade das empresas representem uma perda de 77 milhões de euros este ano.
Raquel Martins 12 de fevereiro de 2010 às 12:28
O Governo estima que as reduções e isenções de contribuições para a Segurança Social da responsabilidade das empresas representem uma perda de 77 milhões de euros este ano.

O número foi divulgado hoje pela ministra do Trabalho, Helena André, durante a discussão na especialidade da proposta do Orçamento do Estado para 2010.

Helena André garantiu aos deputados que metade desta verba será suportada por transferências directas do Orçamento do Estado para 2010.

Em causa estão as isenções previstas na iniciativa de apoio ao emprego. O programa, que recupera algumas das medidas que vigoraram em 2009, prevê a isenção por dois ou três anos da taxa social única paga pelas empresas que contratem desempregados de longa duração ou jovens. Mantém-se ainda a redução de três pontos percentuais dos encargos suportados pelas pequenas e micro empresas com trabalhadores com mais de 45 anos de idade.



A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
1949 12.02.2010

hmco2000 12.02.2010

Basta cortar nos vencimentos dos "Boys". Ora vejam: Temos de congelar os nossos salários... Graças as Imoralidades e Obescenidades garantidas pelos sucessivos governos Do PS e do PSD em matéria salarial depois é a completa falta de Pudor Destes "Senhores" que se pavoneiam pela nossa Sociedade assobiando para o ar -Faria de Oliveira: CGD, 371.000 euro -Guilherme Costa: RTP, 250.040 euro -Vítor Constâncio: Banco Portugal, 249.448 euro -Fernando Nogueira: ISP, instituto dos seguros de Portugal, 247.938 euro -Carlos Tavares: CMVM, 245.552 euro, -Vítor Santos: ERSE, entidade reguladora da energia, 233.857 euro -Amado da Silva: Anacom, autoridade reguladora da comunicação social, ex-chefe de gabinete de Sócrates, 224.000 euro -Mata da Costa: presidente CTT, 200.200 euro -José Plácido Reis: Parpública, 134.197 euro -Guilhermino Rodrigues: ANA, 133.000 euro -Pedro Serra: AdP, 126.686 euro -Antonio Oliveira Fonseca: Metro do Porto, 96.507 euro -Afonso Camões: Lusa, 89.299 euro -Cardoso dos Reis: CP, 69.110 euro -Luís Pardal: Refer, 66.536 euro -Joaquim Reis: Metro de Lisboa, 66.536 euro -Fernanda Meneses: STCP, 58.859 euro -José Manuel Rodrigues: Carris, 58.865 eu Fonte: Jornal ""O SOL"" de 22/1/2010 E ainda faltam as estradas de portugal, EDP, Brisa, Petrogal, todas as outras reguladoras e observatórios...enfim é um fartar vilanagem! E pedem contenção!!!! Imaginem o que é pagar um subsídio de férias ou de Natal a estes senhores:""Tome lá meu caro amigo 350.000 euro para passar férias ou fazer compras de Natal"". E pagar-lhes esta reforma...É no mínimo imoral e no máximo corrupção à sombra da lei...Até porque estes cargos não são para técnicos ,mas são de nomeação política.. É isto que lhes retira toda e qualquer credibilidade junto do povo e dos quadros técnicos.

1949 12.02.2010

pub