Economia Seguro: Compromissos assumidos têm de ser honrados incluindo os do memorando da "troika"

Seguro: Compromissos assumidos têm de ser honrados incluindo os do memorando da "troika"

O secretário-geral do PS afirmou hoje, perante a Comissão Política, que a prioridade da sua acção política é honrar os compromissos assumidos pelos socialistas, incluindo os que constam no memorando assinado por Portugal com a "troika".
Lusa 23 de março de 2012 às 00:22
"Honrar a nossa palavra é condição para merecermos a confiança dos portugueses", defendeu António José Seguro, citado por um dos presentes na reunião, na sua intervenção de abertura do ponto da
Comissão Política Nacional dedicado à análise da situação do país.

Segundo a mesma fonte, o líder socialista frisou que a sua orientação política passa por "continuar a linha de responsabilidade no exercício de uma oposição construtiva, honrando os compromissos assumidos, incluindo os que constam no memorando" da "troika".

Na reunião do Grupo Parlamentar do PS, hoje de manhã, esteve em debate a posição dos socialistas perante a proposta do Governo de revisão do Código de Trabalho, matéria que consta do memorando da "troika".

A direcção da bancada do PS propôs que a proposta do Governo seja viabilizada na generalidade, mas vários deputados socialistas sugeriram o voto contra.

Na sua intervenção perante a Comissão Política Nacional do PS, Seguro voltou a defender que a prioridade estratégica dos socialistas deve ser apostar na criação de emprego e no crescimento económico, em contraponto à actual política de austeridade seguida pelo Governo.

Nesse contexto, o secretário-geral do PS reafirmou que "há outro caminho para Portugal sair da crise e manifestou preocupação com o elevado nível de desemprego e a queda da economia".

António José Seguro manteve também as suas críticas à forma como o Governo actuou no que respeita à reforma do Poder Local, sustentando que os socialistas apresentaram uma proposta alternativa em Julho passado.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Legru 23.03.2012

Seria bom que o Sr. Seguro, de uma vez por todas, assumisse uma posição definitiva e se deixasse de contradições.
As medidas de austeridade que estão a ser aplicadas são uma consequência do acordo com a Troika que, este Sr. diz, ter de ser respeitado. Por outro lado, quando veste o casaco do B.E. diz que não está de acordo com ele e que é necessário revê-lo, etc..
Até um dos seus rapazes já disse que deveríamos utilizar a bomba atómica e não pagar a dívida...
Vamos lá ordenar as ideias e tomar uma posição definitiva. Já agora quero dizer que sendo a o acordo da responsabilidade PS, só lhe ficaris bem colocar-se ao lado do governo na sua aplicação. Sei que custa perder votos mas, por uma vez, esqueçam as eleições e olhem honestamente para os interesses do país. - Será pedir muito?

abelavida 23.03.2012

Este tipo é um camaleão.
Hoje diz uma coisa, amanhã diz outra e depois de amanhã volta a dizer a primeira.



Anónimo 23.03.2012

... porque és mais um coveiro e, como tal, não ganharás as eleições, pois o povo manja a hipócrisia ao longe!!!!

pub