Economia Seguro critica extinção de freguesias "por uns míseros euros"

Seguro critica extinção de freguesias "por uns míseros euros"

O secretário-geral do PS, António José Seguro, manifestou-se hoje preocupado com os problemas do interior do país e criticou a reforma da administração local, questionando se "é por uns míseros euros que vamos extinguir uma freguesia".
Lusa 27 de julho de 2012 às 20:42
O líder do PS falava durante uma sessão solene na Câmara de Reguengos de Monsaraz, que marcou o "pontapé de saída" de uma visita ao concelho alentejano a convite do município.

Na sua intervenção, centrada nos problemas do interior do país, o líder do PS, a propósito da reforma da administração local, lembrou que a "única ligação" das aldeias com os serviços públicos é feita através das juntas de freguesia e, por isso, questionou: "É por uns míseros euros que vamos extinguir uma freguesia?".

A propósito da extinção de serviços públicos, António José Seguro defendeu a necessidade de "não deixar nenhum português para trás, em particular os que têm menos recursos".

"Não tem sentido haver portugueses de primeira e portugueses de segunda. É necessário investir e criar emprego no interior do país e que as pessoas vivam lá", disse António José Seguro, manifestando-se contra a extinção de freguesias e o fecho de serviços públicos, como tribunais, centros de saúde, estações dos correios e postos da GNR.

A reorganização administrativa do território deve ser feita "de baixo para cima", defendeu António José Seguro, que, após a sessão solene, visitou a Carmim - Cooperativa Agrícola de Reguengos de Monsaraz, a maior adega cooperativa do país, com quase mil associados e que exporta para a Europa, África, Estados Unidos da América, América do Sul e Oriente.

Na sessão solene, o presidente da Câmara de Reguengos de Monsaraz, o socialista José Calixto, que discursou antes do líder do PS, também abordou os temas dos problemas do país e da reforma da administração local.

Numa referência aos "tempos muito difíceis" que actualmente afectam o país, "principalmente" o interior, o autarca, numa analogia à sigla PREC, que designa o Processo Revolucionário em Curso que decorreu após a Revolução de 25 de Abril de 1974, o autarca disse que "vivemos um novo PREC".

"Um autêntico processo de empobrecimento em curso, no qual se atacam as autarquias e as freguesias, como que assumidas um verdadeiro elo mais fraco de toda a estrutura político-administrativa do Estado", explicou.

Segundo o autarca, "neste processo reformista fundamental para os desafios que se deparam actualmente à coesão territorial do nosso país, deveríamos ter começado por uma descentralizarão política e um emagrecimento do Estado nas regiões".

José Calixto realçou a importância das autarquias locais, mas defendeu que "o poder local tem igualmente que se adaptar aos novos tempos".

"Temos a perfeita consciência e defendemos que uma autarquia deverá ser sempre uma instituição eficaz, sem luxos nem mordomias, deve ser socialmente eficiente, pragmática e saneada de pesos financeiros passados, que possam condicionar, no presente, as suas missões fundamentais", defendeu o autarca.




A sua opinião30
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Chaka Há 4 semanas

Para quem está próximo da bancarrota, até "uns miseros euros" fazem diferença.Quando existem serviços básicos no Pais com imensas dificuldades nas áreas da saude, educação, protecção das crianças, idosos e outros, fica mal um politico ter este tipo de declarações que demonstra que tudo ó possivel para alcançar o poder e "que se lixem os Portugueses".Acabem com grande parte das freguesias e tambem com muitas das câmaras municipais, que são apenas uma despesa para o País, ou será que pensam que os Portugueses são estupidos e não vêem o "desempenho" dos trabalhadores das câmaras e politicos e suas inumeras mordomias? Para abrir um simples buraco são necessários no minimo 2 engenheiros, 1 encarregado, 1 politico, 6 trabalhadores e um parque de máquinas suficiente para fazer uma auto-estrada. LOL.Que tenham a coragem de reduzir e quanto mais rápido melhor.

Anónimo Há 4 semanas

Só a cegueira presente e falta de visão para o futuro podem justidicar esta afirmação deste homem. O que fazemos terá que ser por razões económicas mas fundamentalmente por critérios de racionalidade.

Marcos Há 4 semanas

Porque não acabam com:
- as PPP ruinosas
- com os Institutos com funções dúbias
- informatizem serviços

Sem duvida que cortar freguesias pequenas pode reduzir custos desnecessários, mas não é para ai que vai o grosso do dinheiro.

antisofista Há 4 semanas

Quando os Sr. Seguro estiver na disponibilidade de financiar do próprio bolso os "míseros euros" que se está a poupar, por favor que avance e proponha a não extinção das referidas freguesias.
Até lá, que se cale, porque não é ele que paga a conta!
Que invista ele, mas com dinheiros privados, não com dinheiros públicos, para depois os "mesmos do costume" pagarem a fatura!

ver mais comentários
pub