Economia Seguro critica subserviência do Governo a Merkel e diz que Alemanha beneficia da "desgraça" dos outros

Seguro critica subserviência do Governo a Merkel e diz que Alemanha beneficia da "desgraça" dos outros

O secretário-geral do PS criticou hoje a "subserviência" do Governo português face à chanceler germânica, Ângela Merkel, e defendeu que a Alemanha beneficia da "desgraça" dos países periféricos por não haver mutualização da dívida.
Lusa 26 de maio de 2012 às 15:29
António José Seguro falava na reunião da Comissão Nacional do PS, na Nazaré, num discurso em que defendeu a possibilidade de haver um programa comunitário de investimento na ordem dos 100 mil milhões de euros, 40 mil milhões por aplicação de metade do valor dos fundos desaproveitados e 60 mil milhões com a aplicação da nova taxa sobre transacções financeiras.

Na sua intervenção, o secretário-geral do PS fez uma defesa cerrada sobre a necessidade "vital" de haver um programa europeu de investimento em projectos e da necessidade de serem criadas euro obrigações.

"Se mutualizarmos a dívida, isso significa financiamento para o Estado a preços mais baixos, significa menos défice e menos sacrifícios para as empresas e famílias. Não faz sentido sermos membros de uma União Económica e Monetária e haver países como a Alemanha que se financiam nos mercados a menos de um por cento, como aconteceu esta semana, e outros países como Portugal financiarem-se a cinco, seis, sete oito ou nove por cento", disse.

Neste contexto, Seguro criticou este desequilíbrio entre Estados-membros da União Europeia e tirou uma conclusão.

"Os países como a Alemanha que se financiam a menos de um por cento estão a beneficiar daquilo que é a desgraça dos outros países", declarou, embora ressalvando a seguir não desejar que "nenhum outro povo venha resolver os problemas" de Portugal.

Porém, o secretário-geral do PS exigiu "solidariedade" no funcionamento da União Económica e Monetária e criticou a actuação europeia do Governo.

"Este Governo, em relação à Europa, só tem um comportamento: Sim senhora Merkel, faça favor de dizer senhora Merkel. Não é esse o comportamento do PS", acentuou o líder socialista, contrapondo que o seu partido "não recebe ordens".

"Apesar de estarmos na oposição temos iniciativa, temos propostas e lutamos pelas nossas ideias", declarou, num discurso em que se congratulou com a perspectiva do PS estar agora cada vez menos sozinho em defesa da existência de um a adenda sobre crescimento e emprego ao Tratado Orçamental da União Europeia.


A sua opinião56
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 27.05.2012

Incompetencia dos PS de cada pais, queres tu dizer TOTO

Anónimo 27.05.2012

A Alemanha paga juros baixos porque os investidores acreditam no País, nas pessoas e nos politicos ao contrario de Portugal e Grecia que pedem emprestado e depois nao pagam. E por isso que a Alemanha pagas juros baixos...deixe-se de historias da carochinha.

Anónimo 27.05.2012

Parece que Seguro também andou na mesma escola de Sócrates. Anda a vender banha da cobra para depois no fim fugir com o ouro do contribuinte para França...Cuidado!

xiquinho 27.05.2012

PARECE QUE TEMOS HOMEM ...
Em face da m.... que vai por aí, já estou um pouco mais descansado.
De facto a Europa não é da Merkel e, além disso, a Alemanha já fracassou em 2 tentativas e nós não queremos experimentar uma terceira. Sabemos bem quais foram os custos que a Europa já suportou por 2 vezes. Não Sra. Merkel! a senhora não é dona da Europa e, mais, colaborar com os paises agora em dificuldades é uma obrigação da Alemanha.

ver mais comentários
pub