Economia Seguro lamenta aumento da electricidade e diz que "pessoas já não aguentam mais"

Seguro lamenta aumento da electricidade e diz que "pessoas já não aguentam mais"

O líder do PS, António José Seguro, lamentou hoje o "terceiro aumento" dos preços da electricidade "no prazo de um ano", considerando que "as pessoas já não aguentam mais".
Lusa 16 de junho de 2012 às 20:04
“É o terceiro aumento no prazo de um ano e tem forte impacto na bolsa dos portugueses e também nos custos das empresas. As pessoas já não aguentam mais”, disse o secretário-geral socialista, em declarações aos jornalistas em Lisboa, à margem da conferência “Energia e Agricultura: dois eixos estratégicos para Portugal”, organizada pelo Laboratório de Ideias e Projectos para Portugal (LIPP, promovido pelo PS).

Seguro destacou que o PS tem apresentado propostas na Assembleia da República com vista a diminuir a factura da luz e do gás, que “infelizmente o Governo chumba”.

A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) decidiu aumentar em dois por cento as tarifas de electricidade para consumidores com potências contratadas iguais ou superiores a 10,35 kVA para os quais a tarifa regulada acaba a 1 de Julho.

“Da apreciação das condições do mercado de energia eléctrica, actualizam-se os preços de energia eléctrica considerados nas tarifas de venda a clientes finais em baixa tensão normal para potências contratadas superiores ou iguais a 10,35 kVA, através de uma variação tarifária de dois por cento”, anunciou na sexta-feira o regulador do mercado.

Os consumidores com potências contratadas superiores ou iguais a 10,35 kVA, fundamentalmente empresas, mas também famílias com consumos mais elevados, deixam a 1 de Julho as tarifas reguladas, passando a ser aplicadas tarifas transitórias, no âmbito da liberalização do mercado de electricidade.

A decisão de acabar com as tarifas reguladas, decorrente do acordo assinado com a 'troika', está inserida numa política de liberalização do mercado da energia e que coloca fim ao 'monopólio' da EDP e da Galp como únicas empresas a que se possa recorrer em matéria de fornecimento de electricidade e de gás.






A sua opinião19
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
BELA 18.06.2012

MAS NA HORA DE VOTAR NUNCA VOTA CONTRA. nÃO PRESTAS PARA LIDERARESUM PAÍS PORQUE ÉS AMORFO

el cuerno 18.06.2012

Ele que fale com o amigo socialista dele que por causa das ppps e baboseiras renováveis conseguiu que a conta quase duplicasse (vejam lá a diferença entre o consumido e as taxas e taxinhas para sustentar rendas da DP, eólicas, etc.)...
COmplacentes...

Anónimo 17.06.2012

...faz qualqer coisa,pa,so falas,andas aliado de tudo,mostra-te agressivo,parte a loiça,ainda consegues ser pior do que o parlapatao do teuprotector,valha-te,um burro aos coices.

28Outubro 17.06.2012

O Seguro,já o teu amigo «Passos» antes de alcançar o pote dizia o mesmo, que o povo não aguentava mais impostos.O teu partido também têm culpas no cartório, vai bugiar para Paris.

ver mais comentários
pub