Economia Seis principais fogos lavram em Santarém, Castelo Branco, Bragança e Vila Real

Seis principais fogos lavram em Santarém, Castelo Branco, Bragança e Vila Real

A Protecção Civil destacou esta segunda-feira, pelas 19:00, a ocorrência de cinco fogos que lavram nos distritos de Santarém, Castelo Branco, Bragança e Vila Real, indicando que está a ser estudada a eventual necessidade de evacuar algumas localidades.
Seis principais fogos lavram em Santarém, Castelo Branco, Bragança e Vila Real
Reuters
Lusa 14 de agosto de 2017 às 21:04

"Desde as 00:00 de hoje, o país regista já um total de 121 incêndios florestais. Destes 121 incêndios, apenas quatro não foram já dominados ainda durante o dia de hoje", declarou a adjunta de operações da Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC), no segundo 'briefing' do dia.

 

Patrícia Gaspar destacou como ocorrências importantes seis fogos: dois no distrito de Santarém, nos concelhos de Ferreira do Zêzere e de Abrantes; dois no distrito de Castelo Branco, nas localidades de Louriçal do Campo e de Vila de Rei; um em Bragança, no concelho de Macedo de Cavaleiros; e outro em Vila Real, no concelho de Santa Marta de Penaguião.

 

"Mantemos seis planos de emergência de protecção civil activados, um plano distrital e cinco planos municipais", disse a responsável da ANPC.

 

A adjunta de operações da Protecção Civil indicou ainda que todos os reforços de combate aos incêndios florestais se mantêm no terreno, com o auxílio de "24 máquinas de rasto a trabalhar nos diversos teatros de operações em curso" e com o apoio de 620 militares da Marinha, Exército e Força Aérea.

 

Em relação às condições meteorológicas, Patrícia Gaspar afirmou que o cenário para os próximos dias "vai todo ele manter-se muito semelhante" aos últimos dias, prevendo "temperaturas altas, sobretudo no interior, vento, humidades relativas muito baixas e a perder a capacidade de recuperação nocturna".

 

"Por tudo isto, decidiu-se manter o estado de alerta para o dispositivo especial de combate a incêndios florestais no seu nível laranja em todos os distritos do Continente", adiantou a responsável da ANPC, sublinhando que com o cenário meteorológico que se verifica "todo o cuidado é pouco".

 

Sobre a ameaça de populações devido à proximidade dos fogos, Patrícia Gaspar informou que está a ser avaliada a eventual necessidade de evacuar algumas localidades, sobretudo no incêndio que lavra no concelho de Vila de Rei, no distrito de Castelo Branco.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 15.08.2017

Os verdadeiros incendiários estão bem instalados nos (des)Governos e na AR. Os assassinos que lançam as ignições, parecem fazê-lo impunemente e dentro da lei pois nunca ou raramente são devidamente responsabilizados e penalizados. É mais penalizado quem fizer uma pequena queimada dentro de Lisboa do que quem ateia fogo a metade do país. Ordem, Justiça, Disciplina, Segurança e Respeito, precisam-se urgentemente.

Anónimo 14.08.2017

Os crimimosos incendiários das florestas, tem mostrado há vários anos, que existe neles um ódio de morte ao Estado. São conhecedores de como tudo funciona, obrigando as populações a grandes sofrimentos e prejuízos.

pub