Mundo Senadores republicanos adiam votação sobre a reforma da saúde

Senadores republicanos adiam votação sobre a reforma da saúde

A votação da proposta de reforma da saúde foi adiada devido a divergências entre os membros do partido republicano.
Senadores republicanos adiam votação sobre a reforma da saúde
Rita Faria 28 de junho de 2017 às 08:41

Os líderes republicanos do Senado adiaram a votação sobre a reforma da saúde esta terça-feira, 27 de Junho, devido à resistência por parte de membros do próprio partido. Perante o adiamento, o presidente Donald Trump convocou senadores republicanos para a Casa Branca e pediu que se colocasse um ponto final no impasse, de acordo com a Reuters.

 

O líder da maioria no Senado, Mitch McConnell, pretendia que o projecto de lei - que revoga os principais elementos do Obamacare e reduz o Medicaid a partir de 2021 - acontecesse antes do dia 4 de Julho.

 

"Vamos avançar", afirmou McConnell, após anunciar o adiamento, acrescentando que vão continuar a trabalhar para deixar os senadores "confortáveis" com a proposta. "Estamos optimistas de que vamos chegar a um resultado que será melhor do que o temos actualmente".

 

Segundo a agência noticiosa, na reunião da Casa Branca com a maioria dos 52 senadores republicanos, Trump afirmou que era vital chegar a um acordo sobre a reforma da saúde, porque o Obamacare está a "derreter".

 

"Vamos conversar e vamos ver o que podemos fazer. Estamos a chegar muito perto", disse Trump aos senadores.

 

McConnell, cujo partido tem uma maioria curta no Senado, composto por 100 membros, disse aos jornalistas que os líderes republicanos vão trabalhar durante a semana para conquistar o aval dos 50 senadores necessários para aprovar o projecto de lei.

 

"Acho que conseguimos obter 50 votos favoráveis até ao final da semana", sinalizou o senador republicano Roger Wicker depois da reunião da Casa Branca.

 

No mês passado, a Câmara dos Representantes aprovou a sua própria versão para a reforma da saúde, mas a proposta do Senado tem enfrentado críticas por parte de republicanos moderados – que argumentam que milhões de pessoas vão deixar de ter acesso a cuidados de saúde – e conservadores, que dizem que a proposta não é suficiente para eliminar completamente o Obamacare.

 

Se o Senado aprovar a sua versão, esta terá de ser validada pela Câmara dos Representantes, ou as duas câmaras terão de chegar a um consenso e superar as diferenças.

 

Na segunda-feira, o gabinete responsável pelo orçamento estimou que, se o projecto de lei do Senado seguir em frente, 22 milhões de americanos vão ficar sem seguro de saúde até 2026, enquanto o défice será reduzido em 321 mil milhões de dólares durante o mesmo período.  




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 28.06.2017

É simples, votar a favor uma lei que aumenta os custos e piora a qualidade é demonstrarem ao mundo que as boas práticas de gestão estão fora da agenda governativa dos Estados Unidos... e isso é um muito mau exemplo...

pub