Rendas Senhorios com contratos anteriores a 1980 já podem actualizar rendas

Senhorios com contratos anteriores a 1980 já podem actualizar rendas

Foram publicados em Diário da República os factores de correcção extraordinária fixados anualmente e que se aplicam a rendas anteriores a 1980. Atenção que as rendas que tenham sido actualizadas à luz das regras do NRAU e estejam em período transitório não podem ser alteradas.
Senhorios com contratos anteriores a 1980 já podem actualizar rendas
Filomena Lança 03 de janeiro de 2018 às 11:06

Foram publicados em Diário da República desta quarta-feira, 3 de Janeiro, os factores de correcção extraordinária para o ano de 2018 aplicáveis aos contratos de arrendamento anteriores a 1980.

 

Na prática, trata-se da aplicação do coeficiente 1,0112, determinado em Setembro para a generalidade dos contratos de arrendamento a partir dos dados da inflação e que permitirá actualizar a generalidade das rendas em 1,12% no ano de 2018.

 

Assim, quem tenha contratos anteriores a 1980 e os queira continuar a actualizar – ou, mais exactamente, continuar a corrigir – deverá aplicar ao valor da renda os coeficientes de actualização extraordinária agora fixados. No diploma, como habitualmente, são determinados os factores globais de correcção extraordinária para os municípios de Lisboa e Porto e para os restantes municípios. No primeiro caso, Lisboa e Porto, são discriminados os casos de habitações em prédios sem porteira e sem elevador; sem porteira e com elevador; com porteira e sem elevador e com porteira e com elevador.

 

De recordar que esta actualização de rendas não poderá aplicar-se aos contratos que tenham sido actualizados à luz da nova lei das rendas e que estejam a beneficiar do período transitório que inicialmente era de cinco anos e que foi entretanto alargado para dez. Nestes casos, a renda mantém-se inalterada durante todo o período transitório e só depois disso pode voltar a ser actualizada.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Sem recibos é complicado... Com recibos não se pode deixar tanto tempo sem receber... ao fim de 2 meses em falta ou se tem uma boa relação com o inquilino ou então tem de se encontrar uma solução no tribunal logo...

humberto morgado Há 1 semana

meti 1 processo a 2 inkilinos ke NAO ME PAGAM,HA´9MESES,atraves duma advogada,no tribunal do porto(NET).E AINDA NAO TIVE RESOLUÇAO.
A QUEM PEDIR RESPONSABILIDADES:MINISTRA JUSTIÇA,1ºMINISTRO,OU PRESID.REPUBLICA????MAS OS IMPOSTOS,NAO ESPERAM???QUEM O RESPONSAVEL,POR TAL DESLEIXO....E INCURIA???

pub