Impostos Senhorios tradicionais pagavam mais 1.800% de imposto que alojamento local  

Senhorios tradicionais pagavam mais 1.800% de imposto que alojamento local  

Durante uma conferência organizada pela Associação Fiscal Portuguesa, Fernando Rocha Andrade classificou o quadro fiscal existente até 2016 como causa de "uma significativa distorção fiscal" entre duas utilizações diferentes dos prédios.
Senhorios tradicionais pagavam mais 1.800% de imposto que alojamento local  
Miguel Baltazar/Negócios
Elisabete Miranda 12 de janeiro de 2017 às 20:06

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais voltou esta quinta-feira a defender o agravamento da tributação dos apartamentos arrendados a turistas em sede do regime simplificado de IRS e de IRC. Segundo o governante, a medida pretende atenuar a enorme discrepância que existia, e que quantificou na ordem dos 1.800%. 

 

Durante uma conferência organizada pela Associação Fiscal Portuguesa, Fernando Rocha Andrade classificou o quadro fiscal existente até 2016 como causa de "uma significativa distorção fiscal" entre duas utilizações diferentes dos prédios. 

 

Esta distorção "significativa" tem uma ordem de grandeza: os imóveis arrendados de forma tradicional pagavam mais 1800% de imposto do que os imóveis arrendados a turistas, apontou. 

 

Foram estas diferenças que levaram o governo a subir os coeficientes de 0,15 para 0,35 no IRS e de 0,04 para 0,35 no IRC. Apenas para quem está no regime simplificado (para quem tem contabilidade organizada nada muda) e apenas para apartamentos para turistas (hostels, por exemplo) mantêm os mesmos coeficientes. 

 

Em contrapartida, estes contribuintes podem também optar pelas regras de liquidação da categoria F, em vez das da categoria B onde têm de estar fiscalmente enquadrados. 

 

A noticia, dada em primeira mão pelo Negócios ainda em Junho, gerou protestos entre quem explora imóveis para arrendamento a turistas, já que as taxas de rentabilidade vão baixar. 

 

As novas taxas são para aplicar deste ano em diante. 

 




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Ricardo Teixeira 13.01.2017

1800% ?! Só podem andar loucos para atirar números assim para o ar.
Continuam a comparar coisas que não são comparáveis. Por um lado falamos em arrendamento, por outro falamos de prestação de serviços de alojamento.

Elsa 13.01.2017

Por acaso também estudei jornalismo, embora não o pratique, mas lembro-me bem de uma das regras de ouro: ouvir ambos ambos os lados da história. Este artigo nem justifica a afirmação do secretário de estado nem ouve o que tem a dizer a ALEP (Associação do Alojamento Local em Portugal). Porque será?

Anónimo 13.01.2017

E a Sra Elisabete Miranda atira estes dados para o ar sem explicar a afirmação do Secretário de Estado e ainda faz disso o título. Depois queixam-se no congresso dos Jornalistas de que são mal pagos. Por vezes, acho que merecem os ordenados que ganham porque não sabem sequer informar os leitores.

Margarida Veiga 13.01.2017

Gigantesco erro matemático!!! 1800% significaria 18 x mais IRS. Para um rendimento com média de IRS de 20 % (os senhorios menos ricos optam sempre pela cat. B) é assim: 20 % das rendas e 20? de 15% (o valor estimado que sobra após pagar as gigantescaa despesas e mão de obra no a.l.)=3%. 7x mais

ver mais comentários
pub