Cultura Será falso o quadro de 450 milhões de dólares?

Será falso o quadro de 450 milhões de dólares?

Mesmo antes de o “Salvator Mundi” de Leonardo Da Vinci ir a leilão na noite de quarta-feira na Christie’s, em Nova Iorque, muitos no mundo da arte refutavam a autenticidade da obra.
Será falso o quadro de 450 milhões de dólares?
Reuters
Bloomberg 20 de novembro de 2017 às 15:02

Vários conhecedores levantavam dúvidas, tanto na internet como na galeria, e um dia antes da venda Jerry Saltz, da New York Magazine, escreveu que embora não fosse "historiador de arte nem nenhum tipo de especialista nos grandes mestres", apenas "um breve olhar para a pintura diz-se que não é um Leonardo".

 

E isto foi antes de a pintura arrasar todos os recordes anteriores de leilões ao arrebatar, com prémio, 450 milhões de dólares.

 

Pouco depois de o martelo bater na noite de quarta-feira, 15 de Novembro, o New York Times publicou um artigo do crítico Jason Farago no qual, depois de observar que não tinha autoridade "para confirmar nem refutar a sua atribuição", ele declarou que a pintura era "proficiente, mas não é uma imagem religiosa especialmente distinta da Lombardia do virar do século XVI, submetida a várias restaurações".

 

Será que o comprador do quadro mais caro do mundo acaba de comprar um lixo?

 

"Todas as pessoas mais relevantes acreditam que é um Da Vinci, então as críticas do tipo ‘eu não sei nada sobre os grandes mestres, mas acho que não é um Da Vinci’ nem deveriam ter sido publicadas", diz o britânico Charles Beddington. "Sim, este quadro precisou de ser amplamente restaurado. Mas o facto de ser aceite por unanimidade como um Da Vinci mostra que tem condições suficientes para que não existam dúvidas sobre a sua autenticidade."

 

Depois de conversar com vários negociadores importantes de grandes mestres - um grupo famoso cujos membros não são conhecidos por ficarem calados -, o verdadeiro problema em relação à autenticidade do Da Vinci parece ser uma questão de conhecimento do assunto: "Todas as obras dos grandes mestres foram retocadas", diz o "marchant" Rafael Valls, cuja galeria de Londres fica mesmo em frente à Christie’s. "Todos eles foram esfregados e limpos, mas quando se pensa num quadro em particular e diz: ‘Ah, é um Ticiano, mas um quarto foi recriado por outros restauradores’, mesmo assim ele não deixa de ser autêntico."

 

As pessoas do mundo da arte que descartam a autenticidade do quadro, segundo os negociadores de arte, estão simplesmente a julgar os grandes mestres com os critérios usados para julgar a arte contemporânea - seria como comparar as especificações de um novo Honda com as de uma Ferrari de 1965. Ambos são carros, mas as semelhanças terminam aí.

 

"Até certo ponto, tem de se deixar a condição de lado", diz o galerista Johnny van Haeften. "Claro que não é perfeito e claro que não é a versão original. Mas é possível conseguir outro?"




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Ciifrão Há 3 semanas

Não sei se o comprador pensa fazer um investimento, que se valorize, ou apenas sente prazer em ter coisas extremamente caras. Tanto dinheiro numa relíquia...devia ser pecado.

Anónimo Há 3 semanas

"seria como comparar as especificações de um novo Honda com as de uma Ferrari de 1965. Ambos são carros, mas as semelhanças terminam aí."

Pois é... um, além de abastecer muitas vezes, visita a oficina frequentemente. O outro "bebe" menos e poucas vezes visita a oficina
Comparação mais parva.

Anónimo Há 3 semanas

De facto, observações do tipo «eu não sou especialista de arte, mas isto não é um da Vinci» parecem coisas que eu julguei que só na tuge seriam possíveis. Idiotas

pub