Orçamento do Estado Sérgio Vasques: Não valerá a pena taxar gorduras e açúcares por razões fiscais

Sérgio Vasques: Não valerá a pena taxar gorduras e açúcares por razões fiscais

O fiscalista Sérgio Vasques considerou que criar um novo imposto sobre açúcares e gorduras "não vale a pena" para angariar receita fiscal e defendeu que a regulamentação sobre a 'fast food' tem mais impacto para a promoção da saúde.
Sérgio Vasques: Não valerá a pena taxar gorduras e açúcares por razões fiscais
Bruno Simão/Negócios
Lusa 10 de Outubro de 2016 às 07:45

"Uma coisa é certa: tributar bens como os refrigerantes, as gorduras, o café e os açúcares só vale a pena por razões de saúde pública. Não valerá seguramente a pena por razões de natureza fiscal", defendeu Sérgio Vasques.

 

Numa entrevista à agência Lusa a poucos dias da entrega da proposta de Orçamento do Estado para 2017 (OE2017), o antigo secretário de Estado dos Assuntos Fiscais do segundo Governo liderado por José Sócrates, duvidou a eventual criação de um 'fat tax', um imposto sobre os alimentos nocivos à saúde (sobretudo pela quantidade de sal e de açúcar).

 

"Não vejo que seja possível com impostos incidentes sobre bens deste tipo angariar uma receita maior do que 20 ou 30 milhões de euros. E, portanto, o esforço, o desgaste político, o custo administrativo não compensam a receita que isso traz", afirmou o fiscalista.

 

Ainda assim, o agora professor da Universidade Católica afirma que a medida poderá ter algum impacto para incentivar uma alimentação mais saudável, mas admite que esse pode não ser o melhor instrumento.

 

"Se estamos a falar de gorduras, de café, de sal, o 'fast food', também há que pensar se o imposto é o instrumento mais adequado, mais eficaz do que a regulamentação administrativa. Será que faz assim tanta diferença cobrar um imposto sobre os hambúrgueres se se permitir que se vendam hambúrgueres dentro dos estabelecimentos de ensino secundário ou superior? Será que faz assim tanta diferença tributar as gorduras se permitir que haja máquinas automáticas com aperitivos salgados dentro dos hospitais?", questionou.

 

Nesse sentido, Sérgio Vasques defendeu que "a regulação é muitas vezes mais eficaz, mais precisa e provoca menor dano do que a tributação".

 

No entanto, o fiscalista afirmou que "a questão será diferente se se falar de bens como o vinho, onde aí o potencial de arrecadação é bastante maior".

 

O Correio da Manhã noticiou na quarta-feira que o Governo está a estudar um aumento do imposto sobre o vinho, através de uma subida da taxa de Imposto sobre o Álcool e Bebidas Alcoólicas (IABA) a que está sujeito, que de momento é 0%, aproximando-a da aplicada à cerveja.

 

"Se faz sentido do ponto de vista da neutralidade concorrencial tributar o vinho como tributamos a cerveja? Sim, faz. Mas isto é do ponto de vista do princípio porque, na prática, há pelo menos duas diferenças importantes", disse Sérgio Vasques.

 

Por um lado, o professor universitário destacou que "o sector do vinho cria mais emprego" e "tem uma importância económica e social que é claramente superior".

 

Por outro, salientou que, "diferentemente do que acontece com a cerveja, o vinho está associado a milhares de pequenos produtores e de médios produtores e, portanto, o esforço que a administração fiscal tem de fazer para controlar estes operadores económicos e para garantir uma boa aplicação do imposto é muito maior do que quando lida com duas ou três cervejeiras".

 

Por isso, o antigo secretário de Estado considera que existe "um grande dilema" no aumento da tributação sobre o vinho.

 

"Podemos com algum grau de confiança dizer que o vinho tem um potencial para gerar uma receita pelo menos idêntica [à da cerveja] e em cima desses 90 ou 100 milhões [de euros] temos, por sua vez, o IVA, que se sobrepõe ao imposto especial de consumo. Portanto, aqui há um potencial de receita mas é, de facto, uma decisão muito delicada, pela importância que o sector tem e por tudo o que ele representa socialmente", admitiu.

 

Além disso, e porque o Governo acabou por desagravar recentemente o IVA na restauração, "isto acaba por ser, de certo modo, um recuo por outra via, por uma porta travessa", concluiu.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
00SEVEN Há 3 semanas

Este governo não está minimamente interessado em proteger a saúde do público em geral quando cria um imposto sobre produtos considerados menos saudáveis!
Isso é apenas uma desculpa para sacar dinheiro aos contribuintes para cumprirem promessas eleitoralistas e populistas!
É o mesmo que fazem com o SNS que dizem ser o melhor do mundo mas em vez de criarem condições para proteger os cidadãos, obrigam doentes oncológicos a deslocarem-se centenas de quilómetros para receberem tratamentos.
O objectivo não é assisti-los e melhorar-lhes as condições de vida mas, isso sim, despachá-los o mais rapidamente possível para aliviar a factura do SNS!
Em minha opinião o SNS está mais próximo de ser um SNT - Serviço Nacional de
Tortura do que um Serviço Nacional de Saúde!

pub