Europa Sondagem: "Sim" à independência cresce na Catalunha e independentistas vencem eleições

Sondagem: "Sim" à independência cresce na Catalunha e independentistas vencem eleições

Uma sondagem do Centro de Estudos de Opinião (CEO) da Generalitat mostra que o "sim" à independência cresceu 7,6 pontos percentuais face a Junho para 48,7%. Este estudo de opinião indica ainda que as forças soberanistas catalãs venceriam as eleições em mandatos conquistados mas não em percentagem total dos votos.
Sondagem: "Sim" à independência cresce na Catalunha e independentistas vencem eleições
Reuters
David Santiago 31 de outubro de 2017 às 16:54

A mais recente sondagem a medir o pulso ao independentismo na Catalunha concluiu que o "sim" à independência catalã está a crescer. A sondagem Centro de Estudos de Opinião (CEO) da Generalitat publicada esta terça-feira no El País revela que 48,7% dos inquiridos é favorável à independência, um aumento de 7,6 pontos percentuais comparativamente com os números do anterior estudo, realizado em Junho.

 

Em sentido inverso, o "não" à independência cai 5,8 pontos para 43,6%. Como seria de esperar, os eleitores das forças soberanistas (Juntos pelo Sim, com 92,7%, e CUP, com 93,3%) são maioritariamente a favor de uma Catalunha independente, enquanto os eleitores do Cidadãos (98,8%), do PP (91,7%) e do Partido Socialista da Catalunha (PSC, com 87,4%) preferem a manutenção da região no reino da Espanha.

 

Os eleitores mais divididos são os da Catalunha Sim é Possível (aliado do Podemos na Catalunha), com 55,7% a rejeitarem a independência, 30,4% a quererem a secessão e 13,9% que não têm opinião ou preferem não responder.

 


O Podemos mantém uma posição intermédia acerca da crise catalã, rejeitando a declaração unilateral de independência (DUI) feita na sexta-feira passada e criticando a resposta de Madrid que ao activar o artigo 155 da Constituição suspendeu de facto o autogoverno da região.

 

As entrevistas foram realizadas entre os dias 16 e 29 de Outubro, pelo que em parte já incorporam o efeito da DUI e posterior colocada em prática do mecanismo constitucional que permitiu a intervenção do governo central na Catalunha.

 

Soberanistas venceriam eleições em mandatos mas não em votos

 

Se as eleições autonómicas antecipadas pelo primeiro-ministro para o dia 21 de Dezembro (21-D) fossem agora, o status quo do parlamento catalão agora dissolvido manter-se-ia no essencial, com as forças independentistas com a maioria absoluta dos mandatos. A diferença é que o bloco soberanista deixaria de ter a maioria dos votos.

 

A sondagem do CEO divulgada pelo El País coloca a aliança Juntos pelo Sim (PDeCat + ERC) com entre 60 e 63 deputados, a que se poderiam juntar os 8 a 9 deputados da CUP. A coligação independentista forjada entre conservadores e esquerda nacionalista para as eleições de Setembro de 2015 governou até agora apoiada no parlamento pelos 10 deputados eleitos há dois anos pela CUP.

A segunda força continuaria a ser o Cidadãos (partido nascido na Catalunha com uma matriz anti-independência) com entre 25 e 26 deputados, seguida pelo PSC com 17 a 19 mandatos, pelo Catalunha Sim é Possível com 12 a 14 deputados, e pelo PP com 10 a 11 assentos parlamentares.

 

Somados os blocos, as forças independentistas teriam um mínimo de 68 deputados (o patamar mínimo que garante a maioria absoluta) e os partidos constitucionalistas e o aliado do Podemos teriam os restantes 67.

 

No entanto, o bloco independentista não venceria em percentagem de votos. Juntos pelo Sim (39,7%) e CUP (6,2%) somam 45,9%, abaixo dos 50,9% das restantes forças juntas (Cidadãos com 18,2%, PSC com 13,9%, Catalunha Sim é Possível com 10,5%, e PP com 8,3%).

 

Nas eleições de 2015, as forças independentistas alcançaram a maior percentagem de votos, tendo porém ficado aquém da maioria dos votos com apenas 48%. Na segunda-feira, o PDeCAT e a ERC revelaram que vão às urnas nas eleições de 21-D, contudo não esclareceram se pretendem reeditar a aliança Juntos pelo Sim. A CUP diz que a participação nas eleições convocadas por Rajoy dependerá da escolha dos seus militantes.




A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

As eleições não são sobre a independencia mas para uma novo governo na Catalunha que governe segundo constituição espanhola.Caso reincidam acabam por depender para sempre de Madrid.A catalunha não tem força para se opor a Espanha.A guerra de rua poderá resultar em varios mortos mas Espanha vencerá.

Criador de Touros Há 2 semanas

Foram os independentistas que encomendaram a sondagem. Os catalães já perceberam que perderam muito.

Anónimo Há 2 semanas

Recorrer no exterior. Os fundamentos usados pelo Reino de Castela para a anulação da proposta de resolução são anuláveis pela convenção Europeia dos Direitos Humanos - Conselho da Europa . Agir com liberdade de consciência é um direito. Se houver mandatos de captura existe o exílio.

Anónimo Há 2 semanas

A parada subiu e se Rajoy perde as eleições de 21 dezembro é um cadaver politico! A Republica da Catalunha é uma realidade incontornável!!!

ver mais comentários
pub