Função Pública Sindicato de médicos junta-se à greve da Função Pública

Sindicato de médicos junta-se à greve da Função Pública

Para esta sexta-feira já estão marcadas paralisações dos funcionários públicos, professores e agora médicos. SIM mantém paralisação de 8 de Novembro, marcada em conjunto com a FNAM, o outro sindicato dos médicos.
Sindicato de médicos junta-se à greve da Função Pública
Ricardo Castro/Negócios
Marta Moitinho Oliveira 23 de outubro de 2017 às 12:33

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) decidiu juntar-se à Frente Comum e apela aos profissionais do sector para que façam greve esta sexta-feira, 27 de Outubro.

Em comunicado enviado às redacções, o SIM explica que "historicamente, como sindicato médico independente que é, o SIM não adere às greves convocadas pelos sindicatos da função pública e centrais sindicais". O sindicato adianta que desde 1979 – quando nasceu o SIM – esta será a segunda vez em que isso acontece.

"A presente situação de impasse negocial em inúmeras matérias laborais específicas da carreira médica e a persistência na discriminação negativa dos médicos do Serviço Nacional de Saúde (SNS) no descongelamento da progressão nas carreiras com incidência remuneratória, leva-nos a apelar a todos os médicos, sindicalizados ou não, a ela aderirem", justifica a estrutura sindical.

"Mesmo não tendo o SIM emitido um pré-aviso de greve específico, isso não é impeditivo da adesão dos médicos a esta greve dos trabalhadores da administração pública, devendo os aderentes respeitar escrupulosamente os serviços mínimos habituais das greves médicas", acrescenta o comunicado.

A Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais, afecta à Frente Comum, convocou para sexta-feira uma greve geral nacional para os trabalhadores da Função Pública.  

A Fenprof, que representa os professores, também vai juntar-se a esta greve. Segundo explicou Mário Nogueira, esta greve será para educadores de infância, professores do ensino básico e secundário, docentes do ensino superior, investigadores e demais trabalhadores científicos que trabalham em serviços públicos ou de resposta social.

A Federação Nacional de Educação (FNE) está a avaliar se entra na greve. 

Este mês, os médicos têm estado a fazer paralisações a nível regional, faltando ainda fazer a de 25 de Outubro no Sul e Ilhas. A 22 de Setembro, o SIM tinha agendado para 8 de Novembro uma greve a nível nacional, juntamente com a FNAM (a Federação Nacional dos Médicos), que se mantém, avança fonte oficial do sindicato.

Este ano, os médicos fizeram greve também a 10 e 11 de Maio. 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga Há 3 semanas

PATÉTICOS e EGOISTAS !!!!!!!!!!!!! Só vêm o próprio umbigo!

Mas a culpa é totalmente dos xuxas e geringonços pois só sabem abrir as pernas! Dá-se-lhes um dedo e eles querem o braço....

TRISTES!

Anónimo Há 3 semanas

Porquê tanta greve no sector da saúde? já tiveram mais motivos e não houve greves, porquê agora?

Saber mais e Alertas
pub