Justiça Sindicato do Ministério Público diz que greve pode estar mais longe

Sindicato do Ministério Público diz que greve pode estar mais longe

O Sindicato recebeu duas novas propostas da ministra da Justiça que se aproximam do que têm vindo a reivindicar. A opção de avançar com uma greve poderá estar agora mais longe, afirma António Ventinhas, líder sindical, em entrevista ao Público.
Sindicato do Ministério Público diz que greve pode estar mais longe
Bruno Simão
Negócios 06 de setembro de 2017 às 09:51

O Ministério da Justiça enviou novas propostas de revisão do estatuto ao Sindicato dos Magistrados do Ministério Público (SMMP). Em causa está, nomeadamente, a criação de uma carreira plana para os magistrados, afirma António Ventinhas, líder daquele sindicato, em entrevista ao Público desta quarta-feira, 6 de Setembro.

 

A revisão dos estatutos das magistraturas tem deixado em pé de guerra os magistrados, tanto os do MP, como os judiciais e em recente entrevista ao Negócios, Manuela Paupério, presidente da Associação Sindical dos Juízes Portugueses (ASJP), declarou que a hipótese de uma greve se mantém em cima da mesa. Recorde-se que o período avançado para a realização da greve tem sido o das autárquicas, o que poderia prejudicar o desenrolar do acto eleitoral.

 

António Ventinhas explica que a proposta de Francisca Van Dunem, de novo modelo de carreira, não foi o que o próprio sindicato propôs, pelo que terá agora de ser avaliado pelos sócios do sindicato, numa assembleia geral marcada para 23 de Setembro. Só aí ficará claro se haverá ou não avanços nas negociações.

 

Será só depois desse encontro que o sindicato ponderará ou não a realização de uma greve, juntamente com os magistrados judiciais em relação aos quais, diz Ventinhas, o SMMP está com "timings diferentes". 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 06.09.2017

Ser FP não tem nada de saber. Queres comprar um pópó novo ou umas bugingangas novas? Berra com força e chora baba e ranho que o dinheirinho vem. Grande pais o nosso.... Para alguns....

Mr.Tuga 06.09.2017

Quem não chora, não mama.....
Continua o regabofe com a rapaziada da FP....

pub