Justiça Sindicato dos juízes reuniu-se com partidos e reavalia se mantém ou não a greve

Sindicato dos juízes reuniu-se com partidos e reavalia se mantém ou não a greve

A Associação Sindical dos Juízes Portugueses (ASJP) disse que vai reavaliar se mantém ou desconvoca a greve de Outubro, depois de ter obtido "grande abertura" dos grupos parlamentares para "discutir integralmente" o estatuto dos magistrados judiciais.
Sindicato dos juízes reuniu-se com partidos e reavalia se mantém ou não a greve
Miguel Baltazar
Lusa 19 de setembro de 2017 às 21:55

"Foi-nos dito claramente que não havia nada no estatuto que não viesse a ser discutido. Apresentámos aquilo que nós tínhamos proposto à senhora ministra [da Justiça] em termos de desenho de carreira. Não nos pareceu que houvesse uma rejeição liminar dessas propostas. Houve essa manifestação de vontade por parte do Partido Socialista e isso para nós é importante", afirmou à agência Lusa a presidente da ASJP, Manuela Paupério (na foto).

 

A estrutura sindical esteve esta terça-feira reunida com o grupo parlamentar do PS, depois de já ter sido recebida pelos deputados do PSD e do CDS-PP, e Manuela Paupério falou em "grande abertura" dos deputados para "discutir integralmente" o estatuto dos juízes e adiantou que a direcção sindical vai "reavaliar a situação": "Mantemos ou desconvocamos a greve".

 

A ASJP marcou uma greve para os dias 3 e 4 de Outubro, em protesto contra o facto de o Governo se "mostrar intransigente" nas negociações para a revisão do estatuto dos magistrados judiciais, em particular no que toca à progressão profissional.

 

Quando anunciou a greve, a 8 de Setembro passado, a ASJP referiu que, não obstante toda a abertura e sentido de responsabilidade demonstrados, "o Governo continua a desconsiderar os juízes com o seu ruidoso silêncio". "Nós queremos uma carreira que nos permita progredir", reiterou hoje a presidente da ASJP.

 

De acordo com Manuela Paupério, a associação sindical não foi recebida pelos grupos parlamentares do Bloco de Esquerda e do PCP, mas que irá reunir, mesmo assim, a direcção para discutir o que saiu das audiências realizadas. "Compreendemos, por serem partidos pequenos, suponho que tenha sido essa a razão para não termos sido recebidos", concluiu. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub