Saúde Sindicatos médicos reúnem-se terça-feira com Governo para retomar negociações

Sindicatos médicos reúnem-se terça-feira com Governo para retomar negociações

Os sindicatos médicos vão reunir na terça-feira de manhã com o ministro da Saúde, numa tentativa de retomar as negociações após a greve nacional de dois dias, disse à Lusa fonte sindical.
Sindicatos médicos reúnem-se terça-feira com Governo para retomar negociações
Miguel Baltazar
Lusa 12 de maio de 2017 às 10:40

O secretário-geral do Sindicato Independente dos Médicos (SIM), Roque da Cunha, indicou que o ministro Adalberto Campos Fernandes teve "a iniciativa de responder ao que os sindicatos tinham sugerido de retomar as negociações o mais rapidamente possível".

 

"Esperamos que as mensagens dos médicos e de vários partidos tenham sido percebidas", disse Roque da Cunha.

 

O ministro da Saúde admitiu na quinta-feira, em entrevista à TVI, que as reivindicações que levaram à greve nacional dos médicos são quase todas "muito legítimas" e manifestou-se disponível para continuar a trabalhar já na próxima semana com os sindicatos.

 

Adalberto Campos Fernandes lembrou ainda que, nos últimos anos, a Saúde foi um sector "muito fustigado".

 

Contudo, o governante indicou que "não é possível fazer tudo por todos ao mesmo tempo", mas afirmou que "há espaço, em termos de faseamento no tempo", para acolher as propostas dos dois sindicatos que convocaram a paralisação, estimando que o calendário das negociações possa estar encerrado em Setembro.

 

Os médicos estiveram em greve na quarta e quinta-feira, uma paralisação que, segundo os sindicatos teve uma adesão na ordem dos 90%.

 

Os sindicatos médicos reivindicam 12 horas de trabalho em serviço de urgência, a diminuição do número de utentes por médico de família, a reposição do pagamento de 100% das horas extra, que recebem desde 2012 com um corte de 50%.

 

Exigem ainda a reversão do pagamento dos 50% com retroactividade a Janeiro deste ano.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
alberto9 12.05.2017

O governo deve deixar os médicos fazer greve a vontade, mas deve acabar com os números clausulos nas universidades, existindo mais médicos estes já podem ir para o privado e para o estrangeiro como andam sempre a ameaçar. Mas isso eles na realidade não querem porque? no SNS vão picar o ponto quando vão e depois vão ganhar dinheiro para o privado

Mr.Tuga 12.05.2017

"retomar negociacoes" !?!?!?!?!!?!?!?!?!?!??!!?!?!?!??!!!!!!!!!!!!!!!?!?!?!?!?!?
ANEDOTICOS!
Isso de "retomar negociaçoes" com os xuxas geringonços significa abrir as pernas e enviar a factura aos restantes depenados contribuintes!

Camaradaverao75 12.05.2017

Os muito poucos governos que tenho dado algum crédito coincidiram com os que não cederam a pressões de grandes interesses corporativistas.

Conselheiro de Trump 12.05.2017

Realmente:foram a correr para dar de bandeja 35 horas de trabalho semanais que ninguem tinha falado delas,e agora fogem deles como o diabo da cruz.Gerigonca,gerigonca nao dais ponto sem so,autenticos calceteiros,e so calcetada.

pub
pub
pub
pub