Economia SIS com 144 Automóveis ao serviço, primeiro-ministro com 31

SIS com 144 Automóveis ao serviço, primeiro-ministro com 31

Os veículos do Estado estão atribuídos na sua maioria a polícias e militares, mas há centenas de outros serviços com carros públicos, incluindo o SIS (144 veículos) ou o gabinete do primeiro-ministro (31).
Lusa 16 de setembro de 2012 às 15:22
Segundo um relatório da Agência Nacional de Compras Públicas (ANCP), o parque automóvel do Estado no final de 2011 era composto por 27.692 veículos, menos 658 que no ano anterior, uma redução de 2,3%.

A maior parte destes veículos públicos está com forças de segurança: 41,2% da frota em serviços do Ministério da Administração Interna, 16,9% no Ministério da Defesa. Só um outro ministério detém mais de 10% do total de veículos: o da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território (3.569 veículos, 12,9% do total).

O serviço com mais veículos é o comando-geral da GNR (5.790), seguido da direção nacional da PSP (4.109). Entre as dez entidades com mais veículos encontram-se ainda o Exército, a Polícia Judiciária, a Proteção Civil, o Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) e a Marinha.

O relatório assinala que há vários veículos afetos ao Ministério da Defesa, "essencialmente de cariz operacional e militar", que não estão registados no sistema da ANCP.

Entre outros serviços incluídos na lista está o Serviço de Informações de Segurança (SIS, espionagem civil), com 144 veículos; o Serviço de Informações Estratégicas do Estado (espionagem militar) tem ao seu dispor 21.

O gabinete do primeiro-ministro tem 33 veículos, mais do que o de qualquer outro membro do Governo. O ministro cujo gabinete tem mais veículos é o da Defesa (12); a ministra com menos veículos é a da Agricultura (dois).

O representante da República para a Madeira tem oito veículos ao seu dispor; o representante para os Açores tem apenas um.

Outros exemplos de serviços ou entidades com automóveis públicos são a Entidade Reguladora para a Comunicação Social (seis veículos), o Conselho Superior da Magistratura (dois), a Comissão Portuguesa de História Militar ou a Estrutura de Missão para a Extensão da Plataforma Continental (um cada).

A lista da ANCP não inclui todos os veículos afetos a instituições públicas. O relatório abarca apenas o subsetor Estado – grosso modo, as partes da Administração Pública diretamente dependentes do Governo central.

Não aparecem na lista, por exemplo, órgãos de soberania como a presidência ou a Assembleia da República, instituições independentes como o Banco de Portugal, nem órgãos regionais ou locais.








A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Manuel Santos 16.09.2012

Carro de Ministro deveria se amarelo, dizer carris por fora e andar cheio de contribuintes.
Tenham vergonha na cara!

Anónimo 16.09.2012

É preciso haver representante da republica na madeira, para fazer o quê? Oito carro para percorrer uma ilha daquele tamanho............

Anónimo 16.09.2012

Acho muito bem!
Afinal O PM só usa um carro uma vez por mês!
Tem é um para cada dia!
Haja saúde!!!

Anónimo 16.09.2012

Chefes de GABINETE, atarefadíssimos precisam de ir para casa de carro! Grande nação esta, rica e pródiga em miséria de espírito.

ver mais comentários