Economia Situação "pouco estabilizada" na Alemanha preocupa Portugal

Situação "pouco estabilizada" na Alemanha preocupa Portugal

A ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, Maria Manuel Leitão Marques, disse hoje, em Paris, que "uma situação pouco estabilizada na Alemanha" deve preocupar Portugal.
Situação "pouco estabilizada" na Alemanha preocupa Portugal
Bruno Simão/Negócios
Lusa 21 de novembro de 2017 às 11:24

"Ter uma situação pouco estabilizada na Alemanha é naturalmente uma questão que nos deve preocupar como europeus e como estado-membro desta comunidade", afirmou Maria Manuel Leitão Marques à imprensa, à margem de uma conferência internacional sobre Inovação na Administração Pública, na sede da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico ou Económico (OCDE).

 

A governante lembrou que a Alemanha "é um país central para toda a União Europeia".

 

Acrescentou que a União Europeia "enfrenta desafios muito importantes", nomeadamente na área da inovação, porque "demora muito a aprovar uma diretiva, um regulamento".

 

Esta segunda-feira, a chanceler alemã, Angela Merkel, disse que está pronta para ser candidata a novas eleições, cenário que prefere ao de formar um governo minoritário, se não for possível uma coligação.

 

A União Democrata-Cristã (CDU), de Merkel, que venceu as legislativas de 24 de Setembro sem maioria absoluta, viu o seu anterior parceiro de governo, o Partido Social-Democrata, recusar uma nova coligação.

 

A CDU iniciou conversações com o Partido Liberal e com os Verdes, mas, no domingo, os liberais anunciaram que abandonam as negociações.

 




A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas

Ahahahahahahahah. Até a formiga já tem catarro!

comentários mais recentes
Irresponsáveis Há 3 semanas

A Alemanha preocupa (como qualquer outro) porque quiseram repor os cortes e assim ficaram e continuarão presos por arames. A ambição de poder tem custos.

pertinaz Há 3 semanas

QUE ANEDOTA....

ESTA ESCUMALHA DE ESQUERDA NÃO TEM REMÉDIO...!!!

Anónimo Há 3 semanas

Os sindicatos na Alemanha e restante mundo livre, rico e desenvolvido não capturam a criação de valor e por isso a Alemanha é sede para tanto colosso empresarial, o seu Estado é sustentável e a população goza de elevado nível de vida e igualdade de oportunidades. "As part of its so-called "Future Pact" designed to boost productivity by 25 percent over four years, the VW brand is eliminating 23,000 jobs by 2020 in Germany." http://europe.autonews.com/article/20170510/ANE/170519998/how-vw-plans-to-achieve-job-cuts-in-germany

Anónimo Há 3 semanas

Numa das suas rondas de despedimento de colaboradores excedentários, o Deutsche Bank em reestruturação decidiu fechar 200 agências só na Alemanha e despedir também naquele país 4000 excedentários. A nível internacional os números do encerramento de agências e do despedimento de colaboradores excedentários foram ainda mais elevados, obviamente - 35 mil postos de trabalho cortados em 2 anos, entre 2015 e 2017. ("The bank will close 200 branches in Germany -- with the loss of 4,000 jobs" http://money.cnn.com/2015/10/29/investing/deutsche-bank-job-losses/).

ver mais comentários
pub