Política Só metade dos militantes do PSD vai votar

Só metade dos militantes do PSD vai votar

A série histórica das directas do PSD mostra que, em média, apenas metade dos militantes com quotas pagas vai efectivamente votar. No entanto, nos anos de mudança de líder a taxa de participação costuma subir.
Só metade dos militantes do PSD vai votar
Lusa
Marta Moitinho Oliveira 13 de janeiro de 2018 às 10:00
Pouco mais de 70 mil militantes do PSD poderão ir este sábado às urnas escolher o próximo presidente do partido. Mas, se se mantiver a média das taxas de participação registadas nas eleições desde que o partido faz directas, apenas metade deverá exercer o voto.

O líder do PSD começou a ser escolhido através de eleições directas em 2006. Até agora, os militantes com quotas pagas foram às urnas sete vezes.


Em 2010, quando Passos Coelho foi eleito pela primeira vez líder do PSD, a taxa de participação foi de 66,3%, a mais alta da série que mostra a participação dos militantes na escolha do presidente.       


Por outro lado, em 2006, na primeira vez em que foi usado este método de selecção do presidente, a taxa de participação foi a mais baixa. Na altura, Luís Marques Mendes foi o mais votado e a taxa de afluência às urnas foi de 37,3%.


A média das taxas de participação dos sete anos é de 50,6%. Olhando para esta média como um barómetro do comportamento dos militantes sociais-democratas - e calculada pelo Negócios a partir dos dados oficiais do partido sobre directas - é possível afirmar que este sábado cerca de metade dos eleitores deverão exercer o seu voto.


No entanto, a evolução desta série de dados mostra uma "nuance" que pode permitir antecipar que a taxa de participação será mais alta do que os tais 50,6%.


É que nos actos eleitorais em que muda o líder, a taxa de participação é mais alta, como se os militantes se sentissem mais desafiados a fazer uma escolha.


Foi assim quando Luís Filipe Menezes ganhou a Luís Marques Mendes em 2007, quando Manuela Ferreira Leite venceu Passos Coelho e Santana Lopes em 2008 e quando Passos Coelho foi eleito pela primeira vez para a liderança, contra Paulo Rangel e José Pedro Aguiar Branco.


Nas restantes eleições, as taxas de participação foram sempre inferiores a 50%.


Esta tarde, 70.385 militantes com quotas pagas estão inscritos como eleitores na disputa entre Rui Rio e Pedro Santana Lopes. São mais 19.867 militantes do que nas eleições de Março de 2016.




A sua opinião30
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 dias

Se numa qualquer economia deixarem despedir colaboradores excedentários ou, por outras palavras, deixarem desalocar factor trabalho mal alocado por não ter procura real justificável face às reais condições de mercado ditadas pela racionalidade económica que interpreta e se adapta ás forças de oferta e procura de mercado e que conduz à criação de valor, e desde que o Estado de Bem-Estar Social garanta um mínimo de condições básicas de sobrevivência em dignidade, como já se faz até certo ponto em Portugal apesar de vários constrangimentos financeiros que se prendem precisamente com a sobrealocação de factor trabalho desnecessário que é em si mesmo um parasitário concorrente de peso perante o Estado de Bem-Estar Social fragilizado, os restantes mercados de factores produtivos e bens e serviços encarregar-se-ão de tornar toda a economia mais rica e mais desenvolvida com inegáveis ganhos e benefícios para toda a sociedade residente naquela economia. Este é o tão propalado "Modelo Nórdico".

comentários mais recentes
Anónimo Há 2 dias

mais socialista da esquerda para tirar povo e dar estado gordo

enfim la vao voltar falencias a cada 10 anos

Criador de Touros Há 2 dias

O Observador já está a dar resultados e para já não estou a gostar do que leio.

Criador de Touros Há 2 dias

Rui Rio anda todo baralhado. Primeiro diz que se vai coligar com o PS, depois diz que não interessa ao PS que ele ganha. Rui Rio desnorteou-se e agora quer emendar a mão. Ganha com os votos de que PSD’s ?Admira-me haver gente no PSD que vote em Rui Rio, depois dos disparates que ele disse. Parece que Marcelo prefere Santana, talvez por razões enviesadas...

Criador de Touros Há 2 dias

A questão que se coloca hoje é: como votar em Rui Rio se ele se quer coligar com o PS e se conhecidos apoiantes seus dizem que poderão votar PS. Como é que se vota em Rui Rio em vaga de fundo com ele a dar tiros nos pés desta maneira ? Só votarão em Rui Rio aqueles PSD muito côr-de-rosa, tipo Pacheco Pereira e outros submarinos do género. Espero que não haja batota.

ver mais comentários
pub