Economia Sociais-democratas impuseram clara derrota à CDU de Angela Merkel na Renânia

Sociais-democratas impuseram clara derrota à CDU de Angela Merkel na Renânia

Os sociais-democratas (SPD) venceram hoje as eleições na Renânia do Norte-Westfália, à frente dos democratas-cristãos (CDU) de Angela Merkel, que obtiveram o seu pior resultado de sempre no Estado federado mais populoso da Alemanha.
Lusa 13 de Maio de 2012 às 17:38
O SPD e a sua cabeça de lista, Hannelore Kraft, somaram 39%, e a CDU, liderada pelo ministro federal do ambiente, Norbert Roettgen, quedou-se pelos 26%, segundo uma projecção da televisão pública ARD, logo após o encerramento das urnas de voto.

A clara vitória do SPD e a derrota da CDU foi atribuída pelos comentadores, em primeira linha, à maior popularidade de Hannelore Kraft, que superava o candidato conservador em todos os itens nos barómetros de opinião, mesmo no que respeita a competência económica, normalmente um domínio da CDU.

Angela Merkel apoiou Roettgen em vários comícios na campanha eleitoral, mas distanciou-se claramente do seu pupilo quanto este tentou aproveitar o prestígio da chanceler à escala nacional, dizendo que as eleições renanas eram um escrutínio à política europeia de Merkel, afirmação que se viu forçado a retirar.

Logo que foram conhecidos os primeiros resultados, Roettgen, reconheceu a "derrota clara" da CDU, dizendo que era uma derrota sua, e só sua, porque foi a sua campanha eleitoral e foram os seus temas que defendeu, em nítida tentativa para proteger Merkel do desaire.

Os Verdes garantiram o terceiro lugar, com 12%, o que significa que poderão reeditar a sua aliança governamental com os sociais-democratas, desta vez com uma confortável maioria absoluta no hemiciclo de Dusseldorf.

O anterior executivo minoritário de centro-esquerda, que tinha apenas o apoio tácito dos comunistas renovadores, demitiu-se, após dois anos de mandato, depois de o seu orçamento para 2012 ter sido "chumbado" no parlamento regional, em Março.

Os Liberais do FDP, parceiro de coligação dos conservadores de Angela Merkel no governo federal, em Berlim, melhoraram a sua votação em quase dois pontos percentuais em relação a 2010, somando 8,5%, ainda segundo a ARD.

O quinto partido representado no futuro hemiciclo renano serão os Piratas, que na sua segunda participação, pularam de 1,6% para 7,5%, e terão, pela primeira vez, deputados numa grande região alemã, depois de já terem conseguido idêntica proeza em Berlim, no Sarre e em Schleswig-Holstein, nos últimos meses.



A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Pirata - Barba Ruiva 14.05.2012

Pouco se fala do partido dos piratas, que começou nos blogs de internet e se transformou num partido de cidadãos contra o poder instalado dos partidos tradicionais.
Portugal precisa urgentemente do seu partido PIRATA

Anónimo 14.05.2012

Oleksandr granda maluco esta doida da Merkle é um dos kankros que está a matar a europa das duas uma ou és seu colega da RDA ex. STASI ou então se acreditas que ela é a salvação da europa mais vale pegares numa Pitsula e dares unm tiro na cabeça.

JMBorralho 13.05.2012

De derrota em derrota até à morte sem honra, nem proveito!

Salvador Costa 13.05.2012

1- Que esta insanidade coletiva de uma férrea austeridade, sem qualquer medida de crescimento económico e brutal desemprego, seja ultrapassada e que a exigência de finanças públicas sustentáveis - os excessos da Grécia, Portugal, Itália e Espanha, são péssimos exemplos - seja baseada em políticas de promoção do emprego, inovação e competitividade da União Europeia como bloco comercial, industrial, financeiro e tecnológico..2- E que a União Europeia assuma a dignidade e a responsabilidade de uma participação democrática dos governos e uma partilha de soluções-3- Em vez, de "dois doidos" num diretório sem qualquer mandato, imporem as suas regras aproveitando a chantagem e a agiotagem dos mercados.

ver mais comentários
pub