União Europeia Social-democrata Frank-Walter Steinmeier eleito presidente alemão

Social-democrata Frank-Walter Steinmeier eleito presidente alemão

A Alemanha tem um novo Presidente. Tomará posse a 18 de Março. E reúne consenso, ou quase.
Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters
Negócios com Lusa 12 de fevereiro de 2017 às 17:18
O social-democrata Frank-Walter Steinmeier foi eleito Presidente alemão pelos membros do Parlamento, em substituição de Joachim Gauck, antigo pastor dissidente da Alemanha de Leste.

O chefe da diplomacia alemã até final de Janeiro, foi agora eleito por 931 votos, num total de 1.239 grandes eleitores. Era o candidato apoiado tanto pelos conservadores como pelos sociais-democratas.

Steinmeier, de 61 anos, vai assumir a presidência, um cargo sobretudo com funções representativas, a 18 de Março. É o 12.º Presidente a assumir o cargo na era pós-guerra.

Tido como "anti-Trump", Steinmeier surge nas sondagens alemãs como um político popular e na aceitação do mandato de cinco anos comprometeu-se em promover o diálogo e a democracia nestes "tempos tempestivos" e quando muitos cidadãos receiam que o mundo "se desfaça".

Conta a Reuters que após a eleição na Bundestag, e após o anúncio dos resultados pelo presidente da Assembleia, Norbert Lammert, o Presidente eleito recebeu uma ovação de pé da Câmara, com excepção dos membros do populista partido AfD (Alternativa para a Alemanha). O partido anti-imigração AfD não tem membros no Parlamento nacional, mas já conseguiu assentos em 10 dos 16 parlamentos regionais, estando, nas sondagens, na terceira posição para as eleições gerais de 24 de Setembro. O AfD apresentou o seu próprio candidato à Presidência, que recebeu 42 votos.

O Presidente na Alemanha é eleito, segundo a Constituição do país, por uma assembleia especial, composta pelos 630 deputados do Bundestag e por um igual número de representantes dos estados da federação alemã. 

Merkel diz que vai ser o homem certo nos tempos díficeis

A chanceler alemã, Angela Merkel, elogiou já o social-democrata Frank-Walter Steinmeier, dizendo que será um "magnífico" Presidente da Alemanha e realçou a expectativa pela sua capacidade de alcançar consensos em "tempos difíceis".

"Vai ser Presidente em tempos difíceis", sublinhou Merkel em breves declarações à imprensa após a votação na Assembleia Federal.

Na opinião de Merkel, Steinmeier tem não só o apoio da Assembleia, como da maioria do povo alemão.

A chanceler destacou ainda que quando ocupou o cargo de ministro dos Negócios Estrangeiros, Steinmeier sempre teve "tacto" para "procurar caminhos e encontrar soluções" nas situações mais difíceis e considerou que essa característica também o vai ajudar na política interna.

"Este é um dia bom para a Alemanha", disse Merkel.

Mensagem da Europa

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, pediu "unidade" num momento "crítico para a Europa", numa mensagem de felicitações enviada ao novo Presidente alemão, Frank-Walter Steinmeier.

"A sua nomeação surge num momento crítico para a Europa. Os desafios externos e internos que enfrentamos dificilmente poderiam ser maiores", afirmou Tusk, numa missiva dirigida a Steinmeier, ex-ministro dos Negócios Estrangeiros da Alemanha.

Tusk acrescenta que "em tempos como estes, a unidade é mais importante do que nunca" e disse esperar que a Alemanha "continue a contribuir para o projeto europeu".

"Desejo-lhe todo o êxito nas suas novas funções", afirmou Tusk.

Mensagem de Putin

Da Rússia chegou, entretanto, o convite para o novo Presidente visitar o país. O presidente russo, Vladimir Putin, felicitou Frank-Walter Steinmeier pela sua eleição como presidente alemão, convidando-o a visitar a Rússia "quando achar oportuno", segundo uma nota de imprensa divulgada pelo Kremlin.

Na mensagem, Putin afirmou que "a gestão de Steinmeier num cargo de elevada responsabilidade irá favorecer o desenvolvimento das relações russo-germânicas (...) no caminho de fortalecimento de estabilidade e segurança no continente europeu e no mundo".

O dirigente confirmou o interesse de Moscovo em "manter o diálogo construtivo sobre problemas da atualidade, tanto da agenda bilateral como internacional".



A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Conselheiro de Trump 12.02.2017

Para quem exportou nada mais nada menos que 1207.000.000.000 de euros no ano passado,deve poder festejar assim,eu acho que merecem.Ate o Messi foi a festa:do lado direito,na fila de traz,logo a seguir a uma Sra.,secalhar vai jogar pelo Borussia Dortmund.

David 12.02.2017

Não gosto nada disto

Conselheiro de Trump 12.02.2017

Ve-se aqui algum nome conhecido:Angel Merkel,Sr.Wolffang Schauble,ou o candidato socialista?Pois bem se fosse em portugal o lingrinhas da cidade da borga mandava paralizar as ruas da cidade para tal fastio,fastio porque o rabelo selfie e a gerigonca estavam la em peso.Como dizia o da OCDE:nao a trab

pub