Economia Software para controlar o SIRESP está "na gaveta" há dois anos

Software para controlar o SIRESP está "na gaveta" há dois anos

O Estado comprou à Motorola um sistema para ajudar a tomar decisões no combate aos incêndios florestais, mas a Protecção Civil continua desde 2015 sem acesso à licença de utilização, escreve o jornal Público.
Software para controlar o SIRESP está "na gaveta" há dois anos
Reuters
Negócios 07 de novembro de 2017 às 10:03

O software comprado pelo Estado, em Maio de 2015, para monitorizar em tempo real a cobertura da rede SIRESP nunca foi usado pela Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC), que devia ser o seu principal utilizador.

 

A notícia é avançada pelo Público esta terça-feira, 7 de Novembro, explicando que o Ministério da Administração Interna (MAI) nunca forneceu a este organismo a licença de utilização do Traces, comprado por 200 mil euros à Motorola, que ficou apenas nas mãos da Secretaria-Geral do MAI.

 

Este sistema, adquirido ainda pelo anterior Governo, fornece dados técnicos que ajudam na tomada de decisões operacionais no combate aos incêndios. O ex-presidente da ANPC, Joaquim Leitão, confirma a relevância do software, que "habilitaria o comandante das operações de socorro de qualquer teatro de operações a ter informação fidedigna acerca da cobertura da rede SIRESP e de outra redes convencionais na zona".

 

Na sequência dos fogos de 15 de Outubro, o Executivo liderado por António Costa decidiu que vai efectuar uma operação de conversão de créditos em capital e assim tomar uma posição accionista na SIRESP, que levará o Estado a deter 54% do capital daquela empresa. Será um reforço na ordem dos oito milhões de euros que permitirá a aquisição de mais quatro estações móveis com ligação satélite, estando também prevista a contratação de um sistema adicional de redundância.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub