Política Sondagem: PS ganha margem nas intenções de voto. PSD protagoniza maior queda

Sondagem: PS ganha margem nas intenções de voto. PSD protagoniza maior queda

Apesar de o PSD ter registado uma descida nas intenções de voto face a Novembro, Passos Coelho foi o líder partidário que viu a sua popularidade aumentar de forma mais expressiva.
Sondagem: PS ganha margem nas intenções de voto. PSD protagoniza maior queda
Miguel Baltazar/Negócios
Negócios 15 de dezembro de 2017 às 13:10

O Partido Socialista alargou a sua vantagem nas intenções de voto dos portugueses, enquanto o PSD perdeu terreno neste último mês do ano.


O mais recente barómetro da Eurosondagem para o Expresso e SIC, revelado esta sexta-feira, 15 de Dezembro, mostra que os socialistas subiram duas décimas nas intenções de voto (40,2%) mantendo-se acima dos 40% desde Junho.

Já o PSD desceu meio ponto percentual face à anterior sondagem – a maior queda nas intenções de voto - para se fixar em 27,9%. Os sociais-democratas permanecem abaixo da barreira dos 30%, uma tendência que, de acordo com o Expresso, se verifica desde o início do ano.

Em sentido inverso, o CDS protagonizou a maior subida, avançando três décimas para 6,9%. O acréscimo não foi, contudo, suficiente para superar a CDU, que escalou uma décima nas intenções de voto (7%), enquanto o Bloco caiu na mesma medida para 8,6%.

Os participantes deste barómetro foram inquiridos entre os dias 6 e 12 de Dezembro, já durante a revelação do escândalo Raríssimas e depois da aprovação do Orçamento do Estado para 2018, marcado por vitórias do PCP e Bloco.

Contrariando a queda da confiança no seu partido, Passos Coelho foi o líder que viu a sua popularidade aumentar de forma mais expressiva em Dezembro. O antigo primeiro-ministro subiu três pontos para 5,9%. Em termos absolutos, Passos Coelho só fica atrás de Catarina Martins, que viu a sua popularidade subir 1,5 pontos para 3,4%.

António Costa avança 0,3 pontos para 32,6% e Jerónimo de Sousa regista a única descida, recuando 1,1 pontos para 4,8%. Ainda que o chefe do Executivo tenha angariado mais votos favoráveis face ao inquérito de Novembro, o Governo ficou sete décimas menos popular.

No que respeita ao Presidente da República, a tendência mantém-se: Marcelo Rebelo de Sousa soma 0,5 pontos para um saldo total de 63%.




A sua opinião27
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Anónimo 15.12.2017

Pois claro que sim. E facil subir nas intencoes de voto quando se distribui dinheiro pelos Estado-dependentes que sao a maioria da população. Se os emigrantes elegessem deputados em numero proporcional talvez este pais saisse do esterco socialista. Os emigrantes abriram os olhos em sociedades avançadas e livres, ja não vão em tretas da nossa esquerda extremista

comentários mais recentes
ferreira 17.12.2017

"a maior queda nas intenções de voto"... quem vê os cabeçalhos sencionalistas, afinal desceu meio ponto percentual... que fartura.

A geringonça foi uma dádiva de Deus.Sorte do Povo 16.12.2017

Foi a geringonça que salvou Portugal Parabéns. Formou-se governo o mais transparente e democrático contra os roubos da direi-talha .

O Fumadinho é o maior!!! Maior em quê?? 16.12.2017


Quando forem as eleições lá estarei a votar com convicção no meio/preto, usurpador e traidor, porque devolveu os cortes cegos do PPC tecnofórmico!

Anónimo 16.12.2017

55% de Norte-Coreanos?

ver mais comentários
pub