Política Sondagem: PSD sobe pela primeira vez desde Abril. Popularidade do Governo em queda

Sondagem: PSD sobe pela primeira vez desde Abril. Popularidade do Governo em queda

Uma sondagem da Eurosondagem revela uma queda nas intenções de voto no PS e um aumento no PSD. Já a popularidade do Governo registou a maior descida desde a sua tomada de posse.
Sondagem: PSD sobe pela primeira vez desde Abril. Popularidade do Governo em queda
Miguel Baltazar/Negócios
Sara Antunes 08 de setembro de 2017 às 12:53

As intenções de voto no PS pelos inquiridos pela Eurosondagem revelam uma descida, com o partido que tem António Costa como secretário-geral a arrecadar 40,3% dos votos, menos 0,5 pontos percentuais (p.p.), segundo uma sondagem realizada para o Expresso e SIC.

 

Já o PSD viu subir as intenções de voto em 0,6 pontos para 28,7%, uma evolução que já não se verificava desde Abril.

 

À excepção do PSD e do PAN todos os partidos viram diminuir as intenções de voto na sondagem publicada esta sexta-feira, 8 de Setembro. O PAN viu aumentar em 0,4 pontos as intenções de voto para 1,5%. Já o Bloco de Esquerda manteve 8,4%, a CDU diminuiu 0,3 pontos para 7,3% e o CDS diminuiu 0,1 pontos para 6,8%.

 

No que respeita à popularidade, o Governo registou uma quebra de 5,3%, a maior desde que tomou posse, em Novembro de 2015, revela o Expresso. Este estudo de opinião foi realizado entre 31 de Agosto e 6 de Setembro.

Esta é assim a primeira grande quebra da popularidade do Governo, depois de um Verão marcado por alguns episódios negativos: incêndios de Pedrógão Grande, que provocaram a morte a 64 pessoas, e o roubo de material militar em Tancos.

 

Quanto aos líderes políticos, todos receberam uma avaliação menos positiva no inquérito deste mês, à excepção de Marcelo Rebelo de Sousa, cuja popularidade aumentou 0,2 pontos.




A sua opinião36
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Afper 09.09.2017

Enfim... É assim...
A dita maioria de esquerda do povo português é ficção e é só fabricada nas sondagens feitas por engagés esquerdistas e/ou mercenários.
Não há maioria de esquerda em Portugal.
As quatro maiorias absolutas de cavaco e das ex-AD tal como a de Durão Barroso isso comprovam sem qualquer margem para dúvida: (uma maioria absoluta da ex-AD em fins dos anos 70, 2 maiorias absolutíssimas (acima dos 50% entre a segunda metade dos anos 80 e a primeira metade dos anos 90 e a maioria absoluta de Durão Barroso (vilipendiada por o PR de então) na primeira década do séc XXI e mais duas maiorias absolutíssimas limpinhas " acima de 50% de Cavaco e Silva também na 1ª e 2ª metades do séc XXI.
Só não vê isto quem não quer ver...

ha ha ha, que tristeza de PM 09.09.2017

Temos assim os que, no sector público, recuperam rendimentos, contra os que, no sector privado, não recuperam.

Anónimo 09.09.2017

Gostaria de saber se estas sondagens publicitadas coincidem co as realizadas pelos próprios partidos.Nâo podemos esquecer que PSD apesar da politica alegadamente terrorista foi o partido mais votado.Temos uma maioria na governação constituida pelos partidos menos votados.Além das reversões temos nad

Com a Eurosondagem é sempre vigarice... 09.09.2017

É sempre mais 5% no PS logo terá 40,3-5=35,3%
É sempre menos 5% no PSD logo terá 28,7+5=33,7%
Os dois partidos estarão empatados, eis a razão porque não interessam eleições nesta altura.
Isto é o elefante no meio da sala que ninguém vê... à excepção do povo que não é parvo!

ver mais comentários
pub