Política Sondagem: PSD sobe pela primeira vez desde Abril. Popularidade do Governo em queda

Sondagem: PSD sobe pela primeira vez desde Abril. Popularidade do Governo em queda

Uma sondagem da Eurosondagem revela uma queda nas intenções de voto no PS e um aumento no PSD. Já a popularidade do Governo registou a maior descida desde a sua tomada de posse.
Sondagem: PSD sobe pela primeira vez desde Abril. Popularidade do Governo em queda
Miguel Baltazar/Negócios
Sara Antunes 08 de setembro de 2017 às 12:53

As intenções de voto no PS pelos inquiridos pela Eurosondagem revelam uma descida, com o partido que tem António Costa como secretário-geral a arrecadar 40,3% dos votos, menos 0,5 pontos percentuais (p.p.), segundo uma sondagem realizada para o Expresso e SIC.

 

Já o PSD viu subir as intenções de voto em 0,6 pontos para 28,7%, uma evolução que já não se verificava desde Abril.

 

À excepção do PSD e do PAN todos os partidos viram diminuir as intenções de voto na sondagem publicada esta sexta-feira, 8 de Setembro. O PAN viu aumentar em 0,4 pontos as intenções de voto para 1,5%. Já o Bloco de Esquerda manteve 8,4%, a CDU diminuiu 0,3 pontos para 7,3% e o CDS diminuiu 0,1 pontos para 6,8%.

 

No que respeita à popularidade, o Governo registou uma quebra de 5,3%, a maior desde que tomou posse, em Novembro de 2015, revela o Expresso. Este estudo de opinião foi realizado entre 31 de Agosto e 6 de Setembro.

Esta é assim a primeira grande quebra da popularidade do Governo, depois de um Verão marcado por alguns episódios negativos: incêndios de Pedrógão Grande, que provocaram a morte a 64 pessoas, e o roubo de material militar em Tancos.

 

Quanto aos líderes políticos, todos receberam uma avaliação menos positiva no inquérito deste mês, à excepção de Marcelo Rebelo de Sousa, cuja popularidade aumentou 0,2 pontos.




A sua opinião36
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Afper Há 1 semana

Enfim... É assim...
A dita maioria de esquerda do povo português é ficção e é só fabricada nas sondagens feitas por engagés esquerdistas e/ou mercenários.
Não há maioria de esquerda em Portugal.
As quatro maiorias absolutas de cavaco e das ex-AD tal como a de Durão Barroso isso comprovam sem qualquer margem para dúvida: (uma maioria absoluta da ex-AD em fins dos anos 70, 2 maiorias absolutíssimas (acima dos 50% entre a segunda metade dos anos 80 e a primeira metade dos anos 90 e a maioria absoluta de Durão Barroso (vilipendiada por o PR de então) na primeira década do séc XXI e mais duas maiorias absolutíssimas limpinhas " acima de 50% de Cavaco e Silva também na 1ª e 2ª metades do séc XXI.
Só não vê isto quem não quer ver...

ha ha ha, que tristeza de PM Há 1 semana

Temos assim os que, no sector público, recuperam rendimentos, contra os que, no sector privado, não recuperam.

Anónimo Há 1 semana

Gostaria de saber se estas sondagens publicitadas coincidem co as realizadas pelos próprios partidos.Nâo podemos esquecer que PSD apesar da politica alegadamente terrorista foi o partido mais votado.Temos uma maioria na governação constituida pelos partidos menos votados.Além das reversões temos nad

Com a Eurosondagem é sempre vigarice... Há 1 semana

É sempre mais 5% no PS logo terá 40,3-5=35,3%
É sempre menos 5% no PSD logo terá 28,7+5=33,7%
Os dois partidos estarão empatados, eis a razão porque não interessam eleições nesta altura.
Isto é o elefante no meio da sala que ninguém vê... à excepção do povo que não é parvo!

ver mais comentários
pub