Política Sondagem: PS em queda continua a liderar com 37,7%

Sondagem: PS em queda continua a liderar com 37,7%

Com 37,7% das intenções de voto, o PS lidera no barómetro político de Outubro da Aximage, embora registe uma queda de mais de dois pontos percentuais face ao mês anterior. O estudo, que coloca o PSD à distância de sete pontos, confirma a maioria parlamentar de esquerda um ano depois das legislativas.
Sondagem: PS em queda continua a liderar com 37,7%
Miguel Baltazar/Negócios
João Maltez 07 de Outubro de 2016 às 08:00

O Partido Socialista mantém-se, em Outubro, à frente nas intenções de voto, embora com menos dois pontos percentuais face a Setembro, de acordo com a mais recente sondagem da Aximage para o Negócios e o Correio da Manhã. Se as legislativas se realizassem esta semana, o PS venceria  as eleições com 37,7% dos votos (39,8% no mês anterior), enquanto o PSD se ficaria pelos 30,6% (30,1% em Setembro).

No Barómetro Político de Outubro, a intenção de voto legislativo do Bloco de Esquerda cai quase dois pontos, fixando-se nos 8,7% (em Setembro chegava aos 10,6%). Já a CDU, coligação entre o PCP e o Partido Ecologista os Verdes, sobe nove décimas na simpatia dos eleitores, ao recolher 7,5%. A maior recuperação nesta sondagem vai contudo para o CDS-PP, com mais 1,5 pontos percentuais, ao arrebatar 6,1% das intenções de votos.

Independentemente das oscilações positivas ou negativas nas preferências do universo de eleitores inquiridos, no barómetro de Outubro da Aximage quase todos os líderes partidários vêem descer a nota com que a sua prestação é avaliada. Na média ponderada que a empresa de sondagens faz às respostas obtidas, e tendo em conta uma escala de 0 a 20 valores, o secretário-geral do PS, António Costa, é o que obtém melhor classificação, ao conseguir um 12,4 (13,1 em Setembro), seguido da  coordenadora bloquista, Catarina Martins, que obtém um 10,4 (11,3). São os únicos dois líderes com nota positiva.

Muito próximo do 10,1 de Setembro, a avaliação que é feita em Outubro a Jerónimo de Sousa, secretário-geral do PCP, faz contudo que desça para 9,7 valores. Já a presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, recolhe um 9 (9,6 em Setembro). A apreciação menos positiva recai sobre Pedro Passos Coelho, presidente do PSD, com 6,6 valores – é o único que melhora face a Setembro, mas apenas uma décima.

Mais de 90% dão "Bom" a Marcelo

Se as notas atribuídas aos líderes partidários baixaram face a Setembro, o mesmo não se pode dizer do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. O Chefe de Estado continua a ter um grau de popularidade muito elevado, uma vez que 91% dos inquiridos classificam com um "Bom" a sua actuação nos últimos 30 dias. Mais: numa classificação de 0 a 20, Marcelo recolhe um 19. Desde o início do mandato, em Abril, esteve sempre acima dos 18 valores.

Na avaliação feita ao trabalho do primeiro-ministro, António Costa merece a confiança de 54% dos eleitores, ainda assim bem abaixo dos 57,3% de aprovação que obteve no mês de Setembro.

FICHA TÉCNICA Universo: indivíduos inscritos nos cadernos eleitorais em Portugal com telefone fixo no lar ou possuidor de telemóvel;
Amostra: aleatória e estratificada (região, habitat, sexo, idade, escolaridade, actividade e voto legislativo) e representativa do universo e foi extraída de um sub-universo obtido de forma idêntica. A amostra teve 608 entrevistas efectivas: 277 a homens e 331 a mulheres; 61 no Interior Norte Centro, 82 no Litoral Norte, 110 na Área Metropolitana do Porto, 111 no Litoral Centro, 166 na Área Metropolitana de Lisboa e 78 no Sul e Ilhas; 103 em aldeias, 159 em vilas e 346 em cidades. A proporcionalidade pelas variáveis de estratificação é obtida após reequilibragem amostral;
Técnica: Entrevista telefónica por C.A.T.I., tendo o trabalho de campo decorrido nos dias 1 a 3 de Outubro de 2016, com uma taxa de resposta de 81,3%; Erro probabilístico: Para o total de uma amostra aleatória simples com 608 entrevistas, o desvio padrão máximo de uma proporção é 0,020 (ou seja, uma "margem de erro" - a 95% - de 4,00%); Responsabilidade do estudo: Aximage Comunicação e Imagem Lda., sob a direcção técnica de Jorge de Sá e de João Queiroz.



A sua opinião75
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado AMLG 07.10.2016

Surpresa é ainda terem intenções de voto tão altas. Julgo que já todos os Portugueses perceberam que as promessas eleitorais destes tipos não passavam afinal de aldrabices. Como já seria de prever, não existe qq crescimento no País o que obriga a sacar dinheiro de um lado para meter no outro. Isto é, ninguém vê os seus rendimentos aumentados, porque, ao não haver crescimento, os tipos dão com uma mão (ligeiros aumentos na pensão) e tiram com duas (Brutais aumentos na gasolina, no IMI, e outros impostos indiretos. Acrescentando a isso a diminuição da qualidade nos serviços de saúde e educação). Na verdade, eu considero notável que este grupo de salteadores ainda consigam uma popularidade destas depois de todo o mal que fizeram ao País. Infelizmente aos poucos, os portugueses estão a abrir o olho e aperceber que esta cambada de salteadores é a mesmíssima que com o Sócrates (aliás, a maioria dos ministros e secretários de estado até são os mesmo – Pobres de nós que não aprendemos).

comentários mais recentes
Dar força hà geringonça 08.10.2016

Os maiores apoiantes da geringonça é a truque do laranjal escavacado,mas com meu voto não mamam mais,ex.apoiante do PSD,vou votar 62%porque sou dono do meu voto, livres de caciques.

Mais pobrezinhos, mais votos para os esquerdalhos 08.10.2016

Os palerminhas dos tugas pobrezinhos embarcam com facilidade nas demagogias da esquerda que gostam tanto de ouvir. A esquerda precisa de pobrezinhos analfabetos para sobreviver. Os pobrezinhos acreditam que o governo tem sacos de riqueza para distribuir e que não é necessário produzi-la.

Foi do vinho 07.10.2016

Aquela de aumentar a taxa de iva do tintol deixou muitos tugas apreensivos.

Grunho 07.10.2016

A Esquerda já esmaga os fachos da PAF e ainda não é nada porque quando o sistema de partidos coincidir com o sistema de classes eles ficam reduzidos aos 10% da burguesia exploradora. Voto pelos interesses da minha classe social!

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub