Américas Sondagens nos EUA: Hillary quase sempre na frente da corrida

Sondagens nos EUA: Hillary quase sempre na frente da corrida

A candidata democrata tem estado na liderança da corrida, mas com muitos altos e baixos. A campanha evoluiu ao ritmo das polémicas, que foram atingindo os dois lados da barricada.
Sondagens nos EUA: Hillary quase sempre na frente da corrida
Reuters
Bruno Simões 08 de Novembro de 2016 às 10:00
23 DE JULHO

Wikileaks divulga e-mails dos democratas

Poucos dias depois de Trump ser nomeado candidato Republicano, a Wikileaks divulgou e-mails da cúpula do partido Democrata, que provavam que Sanders foi prejudicado em detrimento de Hillary. Trump trepou nas intenções de voto, beneficiando ainda da anterior polémica com os e-mails pessoais de Hillary Clinton.

28 DE JULHO

Hillary é oficialmente nomeada candidata

A polémica dos e-mails pairou sobre a convenção Democrata e forçou a presidente do partido a demitir-se, depois de se ter percebido que Bernie Sanders fora prejudicado face a Hillary. Mas depois do discurso em que aceitou a nomeação do partido, Hillary escalou de forma pronunciada nas intenções de voto.

11 DE SETEMBRO

Hillary desmaia e trump aproveita

Agosto foi um mês relativamente estável para os Democratas, mas de recuperação para os Republicanos. Depois de um pequeno desmaio de Hillary na cerimónia do 11 de Setembro, Trump questionou o estado de saúde da candidata Democrata e recuperou nas sondagens, ficando a menos de um ponto da ex-governante.

23 DE SETEMBRO

Impostos de Trump no primeiro debate

Trump dominou o início do primeiro debate entre os candidatos, mas depois Hillary lançou dúvidas sobre se o milionário paga todos os impostos que deve. Trump mordeu o isco e disse que isso faz dele "esperto" porque aproveita "as leis do país". Hillary foi considerada a vencedora e subiu nas intenções de voto.

7 DE OUTUBRO

Divulgadas polémicas declarações de Trump

Este foi um dos momentos determinantes da campanha. O Washington Post divulgou um vídeo em que se ouve Trump a gabar-se de fazer o que quer com as mulheres por ser conhecido e poderoso (ficou famosa a expressão "grab them by the pussy" – agarrá-las pela vagina). A queda nas sondagens que se seguiu foi grande.

9 DE OUTUBRO

Trump ameaça prender Clinton no 2º debate

Ainda com as polémicas declarações na ordem do dia, o segundo debate ficou marcado pela ameaça de Trump prender Hillary Clinton caso fosse presidente. Antes do debate, o empesário deu uma conferência de imprensa com vítimas de alegados abusos sexuais por parte de Bill Clinton. Trump continuou a descer nas sondagens.

19 DE OUTUBRO

Trump admite rejeitar resultado das eleições

Ao terceiro debate, Donald Trump admitiu a possibilidade de não aceitar o resultado das eleições, caso não seja ele o vencedor, e defendeu que Hillary Clinton não devia poder ser candidata, por ter cometido um crime "muito grave". Declarações que não caíram bem no seu próprio partido. Mas Hillary é que caiu nas sondagens.

28 DE OUTUBRO

FBI reabre investigação aos e-mails de Hillary

Trump estava a cinco pontos de Hillary nas sondagens quando o FBI deixou cair uma "bomba" na campanha e anunciou que iria reabrir a investigação aos e-mails do servidor privado da ex-secretária de Estado, depois de terem surgido 250 mil novas mensagens. Trump voltou a subir nas intenções de voto.

6 DE NOVEMBRO

Não há indícios de crime nos e-mails

Este domingo, a polémica dos e-mails parece ter sido encerrada, para alívio da campanha Democrata. O director do FBI enviou uma carta ao Congresso em que garantia que não foram encontrados indícios de criminalidade de Hillary Clinton nos e-mails que foram analisados. Resta saber se isso ainda terá impacto na votação.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub