União Europeia Soros doou quase meio milhão de euros para travar o Brexit

Soros doou quase meio milhão de euros para travar o Brexit

O investidor bilionário apoiou, através da sua fundação, o grupo pró-UE Best for Britain, que tem como missão travar o Brexit e realizar um segundo referendo.
Soros doou quase meio milhão de euros para travar o Brexit
Reuters
Rita Faria 08 de fevereiro de 2018 às 12:27

George Soros, o investidor que ficou conhecido por ter apostado contra a libra britânica em 1992, contribuiu com 400 mil libras (cerca de 451,3 mil euros) através da sua fundação para o grupo Best for Britain, que tem como objectivo travar o Brexit.

 

A informação foi confirmada pelo presidente do grupo pró-UE e inicialmente avançada pelo Daily Telegraph.

 

"A fundação de George Soros, juntamente com outros dadores, fez contribuições significativas para o nosso trabalho", afirmou Mark Malloch-Brown, presidente do Best for Britain, num email enviado à Reuters. "Através da fundação, [Soros] contribuiu com 400 mil libras".

 

O grupo fundado por Gina Miller tem como missão travar a saída do Reino Unido da União Europeia e realizar um novo referendo sobre o tema, depois de a consulta pública de Junho de 2016 ter resultado na vitória do Brexit, com 51,9% dos votos, contra os 48,1% que votaram a favor da permanência no bloco regional.

 

"Consideramos que o povo britânico merece ter uma última palavra sobre o Brexit e acreditamos que o país foi levado em direcção a uma falsa e perigosa reviravolta", acrescentou Malloch-Brown, em declarações à agência noticiosa. "Este é um esforço democrático e patriótico para recuperar o nosso futuro e agradecemos o apoio dados aos nossos esforços".

 

Em reacção à notícia, o governo de Theresa May sustentou que o povo britânico fez a sua escolha em 2016 e garantiu que não irá realizar um segundo referendo sobre o Brexit.

 

"Há muitos grupos políticos e campanhas neste país, o que está totalmente correcto, e é o que se espera numa democracia", afirmou o porta-voz do governo em declarações aos jornalistas esta quinta-feira. "A posição da primeira-ministra sobre esta matéria é clara, o país votou a favor da saída da UE, é o que vamos cumprir e não haverá um segundo referendo".

 

A Reuters recorda que, em 1992, George Soros usou o seu Quantum Fund para apostar – com sucesso – que a libra estava sobrevalorizada face ao marco alemão, obrigando o então primeiro-ministro John Major a retirar a libra do Mecanismo Europeu de Taxas de Câmbio.

 

No ano passado, o famoso investidor disse que o Reino Unido estava a aproximar-se de um ponto em que a economia iria abrandar de tal maneira que o Brexit poderia mesmo ser revertido.




pub