Obrigações S&P diz que França arrisca "default" com plano de Le Pen

S&P diz que França arrisca "default" com plano de Le Pen

A agência de rating questiona a intenção de converter em novos francos a actual dívida soberana denominada em euros. Mas considera que, dada a notação actual de França - AA - "é improvável" uma entrada em incumprimento.
S&P diz que França arrisca "default" com plano de Le Pen
Negócios com Reuters 04 de fevereiro de 2017 às 17:31

A agência de notação financeira S&P considera que, a concretizar-se a promessa eleitoral da candidata presidencial Marine Le Pen de converter os actuais títulos de dívida (obrigações) de França em dívida denominada em novos francos, aquele país pode entrar em "default" (incumprimento).


"Não há nenhuma ambiguidade nisto. (…) Se um emissor não aderir às obrigações contratuais para com os seus credores, incluindo o pagamento na divisa estipulada [neste caso o euro], declarar-se-ia um ‘default’," afirma Moritz Kraemer, o director de rating de dívida soberana, numa carta publicada no The Economist.


Contudo, reconhece o responsável, a actual classificação atribuída ao país – rating AA, terceiro mais elevado na escala da agência – "sugere que tal sucessão de eventos é improvável."

Em meados de Janeiro, a mesma publicação dava conta de que outra agência de rating, a Moody’s, também classificava essa redenominação da dívida como podendo "tecnicamente" contar como um default.


A saída do euro e regresso ao franco – nomeadamente através da recuperação da soberania monetária – foi reconfirmada este sábado como um dos 144 "compromissos presidenciais" apresentados por Marine Le Pen no seu programa eleitoral.

Le Pen está à frente nas sondagens mais recentes na primeira volta das eleições marcadas para 23 de Abril em França. Contudo, os últimos estudos de opinião, conhecidos esta semana, sugerem que poderá não vencer na segunda volta, em que o favorito é Emmanuel Macron, o ex-ministro da Economia francês.

O candidato da direita, François Fillon, surge em terceiro nas sondagens, depois de nos últimos dias a sua mulher e dois filhos terem sido alvos de investigação por alegados pagamentos com dinheiro público por trabalho fictício.

Fillon nega as suspeitas e promete que irá até ao fim na sua candidatura ao Eliseu a menos que seja deduzida uma acusação formal. Contudo, o candidato tem sofrido pressões da sua área política para desistir da corrida. 




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Costa Há 2 semanas

Mesmo que a Le Pen ganhe, ja vai tarde. O povo Francês esta praticamente condenado à extinção daqui a algumas gerações dada a quantidade de imigrantes e misturas que por la há. Ja sao poucos os Franceses de gema e esses acabarão daqui a umas gerações. Já é tarde senhora Le Pen.

Anónimo Há 2 semanas

Agora, a moda é diabolizar o proteccionismo do Trump ! Então ? proteccionismo vem de proteger...e desde quando é que proteger é "fazer mal" ? Ora, ora, deixem-se do politicamente correto ! Tomáramos nós um Trump na europa em vez da merkel/hollande !

Anónimo Há 2 semanas

Compramos barato pq a europa é hipócrita! Obriga a direitos socias no seu território, mas explora escravos e crianças no Oriente! Mas o feitiço virou-se contra o feiticeiro e o resultado foi que ficou sem aparelho produtivo: sem ele, não há impostos e sem impostos não há direitos sociais pra ninguém

mariita bastos Há 2 semanas

Vamos esperar que os franceses tenham JUÍZO e abandonem a ideia de TRUMPISMO na Europa!!!

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub