Funções do Estado  FMI: Subsídio de desemprego continua demasiado longo e elevado
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

FMI: Subsídio de desemprego continua demasiado longo e elevado

FMI diz que máximo de 1.045 euros desincentiva a procura de trabalho. Quer também corte no tempo.
FMI: Subsídio de desemprego continua demasiado longo e elevado

Apesar dos cortes que já foram feitos e dos que ainda se avizinham, os técnicos do FMI continuam a achar que as regras do subsídio de desemprego são demasiado generosas, tanto ao nível do valor como do tempo

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais

A sua opinião14
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Mamões 09.01.2013

Eh pá cortem tudo de uma vez. MAS DEIXAMOS DE DESCONTAR OS 11% PARA A SSOCIAL E AS EMPRESAS OS 23,75% E SOMAM ISSO AO NOSSO SALÁRIO ! ASSIM NÃO PRECISO DE SUBSÍDIOS PARA NADA, NEM REFORMA. FAÇO EU AS MINHAS POUPANÇAS ! E ENTÃO FMI, QUE ACHAM DESTA IDEIA ?!!

comentários mais recentes
Geromel Sebastião 30.10.2013

Pobre terra, triste gente! Anos a fio a trabalhar, aturando bestas que são muito mais que quadradas, para descobrir que tanto empenho e dedicação não valeu de nada. Somos, TODOS, uma cambada de asnos! E se fossemos capazes de, numa acção concertada e radical, parar o país durante 30 dias? De que viveriam os abutres? Como pastariam todos aqueles que, sem nada fazer, passam os dias a "estudar" a melhor forma de nos cortar as pernas? Juizinho! Um burro também se cansa!!

Anónimo 15.01.2013

Para ter um subisidio de 1045€ é preciso ter pelo menos um salario bruto de 1600€ pois não sao os salarios altos que não procuram trabalho masi sim quem tem o salario min. desconta e ganha 485€ subsidio de desemprego 420€ nessas condiçoes que vai trabalhar para receber masi 65€/mes, vai é perder dinheiro. Se o min fosse igual a todos os outro de 65% (315€) queria ver se não iam trabalha. Era mais justo e punha muita gente a mexer.

Anónimo 15.01.2013

Bom dia, ''FMI diz que máximo de 1.045 euros são demasiado generosas, tanto ao nível do valor como do tempo de atribuição''.''??? Foram 1.045,00 € até Dezembro de 2012. A partir de Janeiro de 2013 são menos 6%, e depois de 6 meses são ''mais'' ...menos 10%. E onde está o emprego ou trabalho? Quarenta anos de descontos, e é demasiado generoso, porque alguém depois de 20, 30 ou 40 anos de descontos e de trabalho, fica preguiçoso e de papo para o ar a viver custa dos SEUS PRÓPRIOS DESCONTOS? É isso que eles pensam? Não nos tirem as conquistas que tivemos com ABRIL. Maria

rferreira 11.01.2013

Estatisticamente falando,1045 eur só os atinge quem tinha na empresa um ordenado alto, o que geralmente significa uma pessoa antiga numa empresa e que sempre descontou. É um dos tais que tendo mais de 45 anos, nunca mais volta a ter emprego. Mais, nessa idade deve ter 2 filhos menores e conjuge provavelmente desempregado. Deixem lá os 4 membros dessa familia viver "descansados" 2 anos com 250eur/mês/cada que eles lá morrem de fome 2 anos depois,

ver mais comentários
Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub
pub
pub
pub