Impostos Suíços dizem não a reforma fiscal para multinacionais

Suíços dizem não a reforma fiscal para multinacionais

O Governo suíço terá de avançar com um plano B para a reforma fiscal para as empresas, depois de ter visto o seu projecto rejeitado em referendo.
Suíços dizem não a reforma fiscal para multinacionais
Alexandra Machado 12 de fevereiro de 2017 às 23:48

A Suíça tem de pôr fim a um conjunto de isenções fiscais para as multinacionais, mas a rejeição da sua proposta obriga a que encontre solução para que essas empresas não saiam do país, com a consequência de diminuição das receitas fiscais e com impacto esperado na economia.

O voto pelo "não" atingiu os 59%. Os suíços foram chamados, em referendo, a pronunciar-se sobre o plano do Governo de substituir isenções fiscais a multinacionais. 

A pressão internacional conduziu o Governo a fazer essa proposta, que implicava o corte de taxas de impostos por parte dos cantões. Os defensores do "não" declaram na campanha que estas opções governativas levariam a um aumento dos impostos dos contribuintes individuais.

Os opositores, nomeadamente os sociais-democratas, o segundo maior partido no Parlamento, argumentaram que a reforma significaria menos 2,7 mil milhões de francos suíços de perda de receita fiscal, por isso, consideraram que o resultado de domingo é um "cartão vermelho" pela "arrogância" da direita.

Já os apoiantes da reforma, em particular empresários e Governo, argumentaram que seria a opção menos onerosa para manter a Suíça um mercado internacionalmente competitivo, ainda que tenham admitido que poderia ter pressões orçamentais.


A reforma deveria produzir efeitos em 2019. Mas agora o Governo helvético admite poder entregar um plano alternativo no final deste ano.

"Há, sem dúvida, pressões internacionais", declarou o ministro das Finanças, Ueli Maurer, dizendo haver um verdadeiro perigo as companhias na Suíça serem submetidas a dupla taxação. O Governo tem, agora, também de voltar à mesa de negociações com a União Europeia, que pressionou o parceiro a revisitar as taxas de impostos das empresas.

As multinacionais são, segundo a Bloomberg, responsáveis pelo emprego a 150 mil pessoas na Suíça, um país de oito milhões de habitantes. Segundo a consultora BAK, citada pela Bloomberg, as multinacionais contribuíram com 12% para a economia e 9% do emprego em 2015.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub