Política Sul-coreanos já começaram a votar nas eleições presidenciais

Sul-coreanos já começaram a votar nas eleições presidenciais

Os sul-coreanos começaram a votar nas eleições presidenciais, depois de a anterior titular da Presidência, Park Geun-Hye, ter de sair do cargo devido a um escândalo de corrupção, que colocou o país em convulsão política durante meses.
Sul-coreanos já começaram a votar nas eleições presidenciais
Reuters
Lusa 09 de maio de 2017 às 00:31

Depois de uma campanha curta dominada pela problemática do emprego e das desigualdades, mais do que pelo dossier Coreia da Norte, os eleitores vão votar até às 20.00 locais (12:00 de Lisboa), em mais de 139 mil locais.

 

As mesas de voto abriram às 06.00 locais (22.00 de Lisboa) e prevê-se uma taxa de participação recorde.

 

Um veterano da luta pelos direitos do homem, favorável a uma reconciliação com a Coreia do Norte, é o grande favorito.

 

Moon Jae-In, do Partido Democrático, de centro-esquerda, estava creditado nas sondagens com 38% das intenções de voto, bem à frente do centrista Ahn Cheol-Soo, que em vários inquéritos de opinião aparecia empatado com o conservador Hong Joon-Pyo.

 

Uma vitória de Moon, que tem 64 anos, assinalaria a alternância ao fim de 10 anos de domínio dos conservadores, e poderia significar uma mudança considerável de política, tanto face ao regime de Pyongyang, como ao aliado e protetor norte-americano.

 

Moon defende o diálogo com a Coreia do Norte para reduzir as tensões e incitá-la a regressar à mesa das negociações. Por outro lado, quer mais distância entre Seul e Washington.

 

Durante uma recente entrevista ao Washington Post, considerou que Seul devia "ter um papel de direcção nas questões relativas à península coreana".

 

Apesar da crise actual com a Coreia do Norte, grande parte dos eleitores sul-coreanos está mais preocupada com a corrupção, a diminuição do crescimento económico e o desemprego, em particular o dos jovens.


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub